Embrapa Suínos e Aves
Sistemas de Produção, 3
ISSN 1678-8850 Versão Eletrônica
Nov/2007
Recomendações técnicas para a produção, abate, processamento e comercialização de frangos de corte coloniais
Elsio Antonio Pereira de Figueiredo
Gilberto Silber Schmidt
Valdir Silveira de Avila
Fátima Regina Ferreira Jaenisch
Doralice Pedroso de Paiva

Sumário

Apresentação
Introdução
Importância econômica
Aspectos agro e zooecológicos
Raças, características e exigências ecológicas (genética)
Instalações
Alimentação
Manejo
Cuidados sanitários
Preparo para o mercado
Mercado e comercialização
Coeficientes técnicos, custos, rendimento e rentabilidade
Referências
Glossário

Expediente

Coeficientes técnicos, custos, rendimentos e rentabilidade

A Tabela 1 mostra os coeficientes técnicos necessários para os cálculos iniciais para a concepção do projeto e também simula e estima os custos de produção de frangos em criações coloniais em projetos de 3000 aves por lote.

Outras recomendações de caráter geral podem ser também seguidas, quando não contrariarem as recomendações específicas da norma, como por exemplo as recomendações de equipamentos, apanha, contenção, transporte, descarga, abate, processamento, comercialização.

Tabela 1. Coeficientes técnicos e econômicos para a integração de frangos de corte coloniais.

Variável

Índices

Vazio Sanitário

14

Densidade Galpão (aves/m2)

10

Densidade parque (m2/ave)

3

Plantel/integrado

3.000

Área de piquete

9.000

Instalações alvenaria (m2)

320

Viabilidade (%)

94

Peso médio do frango (g)

3.100

Conversão alimentar

2,78

Idade de abate (dias)

85

Custo operacional (R$)

0,15

Consumo de ração/ave (g)

8.600

Custo da Ração/kg (R$)

0,55

Custo do Pinto (R$)

0,78

Remuneração do integrado (R$/unidade)

0,60

R$/lote

1.692,00

Custo final frango (R$/Kg)

2,080

Investimento total/integrado (R$)

6.670,00

Fonte: Schmidt (2004).

Na Tabela 2 são apresentados os parâmetros produtivos do segmento, nas diferentes escalas de produção.

Tabela 2. Quantidades médias instantâneas de aves presentes no campo, considerando o abate de 2.000, 3.000 e 5.000 aves/dia, com 22 dias úteis.

Variável

No. de aves abatidas/dia

2.000

3.000

5.000

Número de pintos alojados/mês

46.809

70.213

117.021

Plantel total a campo

131.064

196.596

327.660

Número de frangos vivos

44.000

66.000

100.000

Produção frango (ton.)

106

159

264

Número de integrados

67

100

167

Fonte: Schmidt (2004).

Um aspecto importante é a necessidade de manter uma relação adequada de frango inteiro e cortes, pois o primeiro sempre será uma exigência do mercado e o segundo tem um maior valor agregado. Os índices técnicos do abatedouro são apresentados na Tabela 3.

Tabela 3. Índices técnicos fixos do abatedouro.

Variável

(%)

Rendimento frango inteiro

86

Rendimento de cortes

76

Relação inteiro/corte

50

Fonte: Schmidt (2004).

Os custos operacionais para o abatedouro e para as áreas administrativa e comercial foram estimados com base numa empresa de pequeno porte. Verifica-se uma redução de 3,0% no preço do produto final, quando elevamos o abate de 3.000 para 5.000 aves/dia (Tabela 4).

Tabela 4. Parâmetros produtivos e econômico para o abatedouro e as áreas administrativa e comercial, considerando o abate de 3.000, 4.000 e 5.000 aves/dia, com 22 dias úteis.

Variável

No. de aves abatidas/dia

2.000

3.000

5.000

Número de frangos abatidos/mês

44.000

66.000

100.000

Frango abatido (ton)/mês

136,40

204,60

341,00

Produtos (tons) – inteiro/dia

2,67

4,00

6,77

Produtos (tons) – cortes/dia

2,36

3,53

5,89

Total (ton)

110,48

165,73

276,21

Custo operacional total (R$)

0,40

0,38

0,36

Custo final/kg frango processado (R$)

2,878

2,868

2,858

Custo operacional/kg de frango (Área Administrativa) (R$)

0,072

0,054

0,036

Custo operacional/kg de frango (Área Comercial) (R$)

0,40

0,38

0,36

Custo final do produto processado/kg (R$)

3,412

3,407

3,372

Fonte: Schmidt (2004).

Os resultados financeiros estimados, considerando os diferentes níveis de oferta e preços praticados no mercado são apresentados na Tabela 5 e contribuição porcentual na composição do preço final do frango na Tabela 6. Verifica-se que existe margem para trabalhar os principais fatores de custo, entre eles a elevação da margem de lucro dos integrados, sem comprometer a lucratividade da operação.

Tabela 5. Análise econômica em função do número de aves abatidas/dia

Variável

No. de aves abatidas/dia

2.000

3.000

5.000

Custo final do produto processado (R$)

3,412

3,407

3,372

Preço médio do frango inteiro (R$)

3,60

3,60

3,60

Preço médio dos cortes (R$)

3,82

3,82

3,82

Faturamento com a venda de frango inteiro (R$)

211.147,20

316.720,80

527.868,00

Faturamento com a venda de cortes (R$)

197.998,00

296.997,36

494.995,60

Faturamento total (R$)

409.145,44

613.718,16

1.022.863,60

Custo total (R$)

377.265,04

557.925,78

916.590,00

Receita liquida (R$)

31.880,40

55.792,38

106.273,60

Fonte: Schmidt (2004).

Tabela 6. Contribuição porcentual de cada item na composição do custo final do frango

Centro de custo

No. de aves abatidas/dia

2000

3000

5000

Pintos

9,68

9,82

9,96

Integrado

7,00

7,10

7,20

Ração

55,28

56,07

56,88

Custo operacional da integração

5,42

5,50

5,58

Custo operacional do abatedouro

11,71

11,29

10,85

Custo operacional da área comercial

8,79

8,61

8,44

Custo operacional da área administrativa

2,12

1,61

1,09

Total

100,00

100,00

100,00

Fonte: Schmidt (2004).
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.
Topo da página