logo
Embrapa Amazônia Oriental
Sistemas de Produção, 3
ISSN 1809-4325 Versão Eletrônica
Dez./2006
Criação de Bovinos de Corte no Estado do Pará
Sumário
Início
Apresentação
Análise retrospectiva, situação anual e visão prospectiva
Alimentação e nutrição do rebanho
Manejo de plantas daninhas de áreas de pastagens cultivadas
Estratégias de recupação de pastagens no estado do Pará
Reprodução animal
Manejo reprodutivo de bovinos de corte
Melhoramento animal
Manejo sanitário
Instalações zootécnicas
Coeficientes técnicos, custos, rendimentos e rentabilidade
Mercado e comercialização
Cadeia produtiva da pecuária de corte no estado do Pará
Referências

Glossário

Autores
Expediente

  Reprodução animal
 

Introdução

A exploração pecuária nacional nos últimos anos vem enfrentando enormes
dificuldades econômico-financeiras. Apesar dos notórios avanços tecnológicos
alcançados com novos conhecimentos científicos, e aprimoramento das
técnicas de criação animal, o gerenciamento inadequado, associado à falta de
organização administrativa das propriedades, vem contribuindo decisivamente
para a ineficiência operacional da atividade rural.

A reprodução de bovinos tem como finalidade a produção de bezerros e
bezerras, utilizando matrizes, a partir da maturidade sexual até o momento de
descarte e conseqüente substituição por novilhas (reposição), sendo que o ciclo
se repete de geração em geração.

O que se pretende por intermédio do maior e melhor conhecimento é a
aplicação das técnicas pecuárias avançadas e intensificar as parições, de forma que cada vaca, em idade reprodutiva, produza um bezerro por ano e este deva ser criado de forma sadia e desmamado com bom peso.

A reprodução pode ser definida como o período entre a concepção da mãe e
subseqüente concepção da filha. Conseqüentemente, os desafios reprodutivos
incluem uma multiplicidade de fatores, variando da fertilidade dos gametas,
mortalidade pós-natal até a infertilidade da cria.

Assim, a baixa eficiência reprodutiva é um reflexo de distúrbios que afetam
negativamente a função fisiológica das fêmeas e dos machos bovinos, por
intermédio da apresentação de síndromes tais como: anestro, repetição de cio,
mortalidade embrionária precoce ou tardia, aborto, retenção de placenta,
retardamento da puberdade e maturidade sexual. Esses distúrbios têm como
conseqüência: o aumento do período de serviço, a elevação do numero de
serviço/concepção, o aumento do intervalo entre partos, a redução da vida útil
da fêmea e descartes precoces de reprodutores (Vale, 2002).

Eficiência reprodutiva

A baixa produtividade do rebanho deve-se, essencialmente, aos seguintes fatores:

• Baixo desempenho reprodutivo.

• Potencial genético inferior dos animais.

• Alimentação inadequada.

A maioria dos produtores desconhece a validade e a maneira de realizar-se um
efetivo controle sanitário, bem como as técnicas de manejo e os cuidados com a alimentação, procedimentos indispensáveis à melhoria da eficiência reprodutiva na pecuária nacional. Até o momento, os produtores são os menos responsáveis pela situação atual, cabendo aos técnicos a grande responsabilidade de reverter esse quadro, levando ao conhecimento dos mesmos as técnicas mais avançadas, capazes de melhorar os atuais índices zootécnicos do rebanho. Ciente das novas tecnologias, mais impossibilitado ou não-disposto a adotá-las, a manutenção desses índices passa a ser responsabilidade dos próprios produtores.

O longo intervalo entre partos, verificado em nosso rebanho (acima de 18
meses), caracteriza a baixa eficiência reprodutiva dos sistemas de criação
tradicional, onde os animais, além de apresentar baixo potencial genético, o
longo intervalo entre partos não permite que esse potencial seja totalmente
explorado.

A subnutrição as doenças debilitantes e infecto-contagiosas e o manejo
inadequado são as causas principais da má performance reprodutiva que, por
sua vez, contribui para uma acentuada redução na produção, retardando,
também, o progresso genético e provocando grandes prejuízos “invisíveis” ao
produtor (Ferreira, 1991).

A estruturação de uma fazenda exige, inicialmente, um levantamento sanitário,
com eliminação dos animais portadores de doenças infecto-contagiosas e,
posteriormente, um efetivo controle sanitário. Em um rebanho livre de doenças,
a alimentação passa a ser o principal fator determinante da melhoria na
eficiência reprodutiva. Isso porque não adianta a vaca bem nutrida manifestar
cio precocemente pós-parto e, depois, repetir sucessivos serviços, por causa de infecções uterinas, ou então apresentar curto período de serviço e,
posteriormente, ocorrer morte embrionária ou abortos, em conseqüência de
alguma doença infecto-contagiosa. Nesses casos, o intervalo entre partos
continua longo.

Fatores que afetam a eficiência reprodutiva


Um período de serviço variando entre 65 a 87 dias, com intervalos de parto de
345 a 365 dias, permite que o animal obtenha o máximo de produtividade
durante sua vida útil. O ideal seria uma vaca parir a cada 12 meses e ter uma
longa vida reprodutiva.

A idade avançada ao primeiro parto, próximo aos 4 anos e o longo intervalo
entre partos, que ultrapassa 18 meses, são responsáveis pela baixa eficiência
reprodutiva dos rebanhos.

Idade a primeira cria

Todos os fatores que prejudicam o crescimento e desenvolvimento do animal
jovem aumentam a idade ao primeiro parto. A boa criação dos animais jovens é
essencial, pois bezerras e novilhas de hoje serão as vacas de amanhã.

Manejo alimentar

As causas nutricionais são de maior relevância por afetar, primeiramente, as
funções fisiológicas gerais do organismo animal e, secundariamente, se
refletindo em distúrbios no sistema reprodutivo. Esses são mais freqüentes em
decorrência de falta (subnutrição), do que pelo excesso de nutrientes.

Para atender às exigências de mantença e desenvolvimento, os bovinos
precisam de quantidades adequadas de nutrientes, água, energia, proteína e
minerais. Os alimentos volumosos constituem a principal e mais econômica
fonte de nutrientes. As pastagens que os animais consomem devem ser de boa
qualidade e digestibilidade, com uma taxa de proteína bruta (PB) de cerca de
10%, nutrientes digestíveis totais (NDT) de 60% e teor mineral de 2%, em
quantidade suficiente e em equilíbrio. Com esses teores nutricionais, os animais consomem grandes quantidades de alimentos e apresentam bons índices zootécnicos (Carvalho et al. 2003).

Energia

O excesso de energia (gordura), na fase que antecede a maturidade sexual em
novilhas, pode acarretar distúrbios reprodutivos pelo acúmulo indesejado de
tecidos gordurosos no sistema reprodutor. Na rotina, entretanto, o que ocorre
com maior freqüência é a deficiência de energia sendo, portanto, o problema
mais sério e limitante na exploração bovina. Nos rebanhos de corte, essa
situação é mais relevante ainda, uma vez que, geralmente, não se tem um
manejo racional de suplementação energética e volumosa nos períodos secos
(principalmente lotes de vacas com cria ao pé e vacas gestantes), chegando os
animais extremamente debilitados ao parto ou as estações de monta,
comprometendo tanto a espermatogênese nos machos como o aumento da
incidência de anestros nas vacas.

Proteína

A deficiência protéica geralmente está associada à escassez de volumoso de
boa qualidade nas pastagens, não permitindo o consumo de alimento em
quantidades necessárias. Essa deficiência prolongada no período de
crescimento provoca o retardamento da puberdade e da maturidade sexual de
machos e fêmeas e em animais gestantes, se for severa, pode induzir ao abortamento. No entanto, esse problema pode ser resolvido com o uso mais
racional das pastagens, por meio de adubações periódicas, uso de pastejo
rotacionado, vedação de pastagens para posterior uso na época seca, além de
suplementação alimentar a pasto.

Minerais

Cálcio e fósforo - a redução nos níveis de cálcio sanguíneo pode retardar a
involução uterina, aumentar a incidência de partos distórcicos e de retenção de
placenta. A deficiência de fósforo está relacionada com distúrbios reprodutivos,
manifestações como anestro, cios irregulares e redução na taxa de concepção.
Sódio, cloro e potássio - o sódio e cloro são geralmente apresentados na forma
de cloreto de sódio. O excesso de potássio, acompanhado de deficiência de
sódio, acarreta o aparecimento de cios irregulares, prolongados, cistos,
mortalidade embrionária e, às vezes, aborto. Essa síndrome aparece
freqüentemente em animais mantidos em pastagens queimadas, uma vez que as pastagens apresentam níveis elevados de potássio e baixos de sódio.

Manejo Sanitário

A natalidade dos bovinos pode ser influenciada pela seleção de reprodutores e
matrizes com boa capacidade reprodutiva e pelo estado sanitário dos animais.
As doenças infecciosas, de origem bacteriana, viral ou parasitária, são
importantes, pois afetam o aparelho reprodutivo de machos e fêmeas,
impedindo a fecundação, causando abortos, repetições de cios, o nascimento
de animais com porte inferior à média, disfunção hormonal, entre outros,
inclusive a perda da função reprodutiva.

A maioria das disfunções passa desapercebida. Sendo assim, o controle
preventivo de doenças em machos e fêmeas é de fundamental importância para se obter maior taxa de nascimento de bezerros e, conseqüentemente, maior rentabilidade na produção.


Cuidados com os machos

Os machos destinados a “touros” (inclusive os de compra) devem passar por
criterioso exame de seleção no qual se observa a condição corporal, aparelho
locomotor, parâmetros genéticos favoráveis (o ideal seria o teste de progênie) e aparência fenotípica (externa), além de exames laboratoriais. Ao exame físico, devemos observar o aparelho genital completo, procurando anomalias, defeitos, processos inflamatórios e observando medidas e condições estabelecidas para cada raça. O exame andrológico completo deve ser realizado antes de cada estação reprodutiva. Casos de falha na reprodução normalmente são atribuídos às fêmeas, quando na verdade, os machos ocupam o maior destaque em razão da transmissão de doenças pela monta.

Cuidados com as fêmeas

Fêmeas destinadas à estação reprodutiva devem apresentar boa condição
corporal e ciclo normal. As fêmeas devem ser selecionadas antes do início da
estação reprodutiva, para a formação dos lotes.


Enfermidades de interesse reprodutivo


As doenças da reprodução possuem peso importante nos índices de natalidade, taxa de prenhes, retorno ao cio, natimortos, entre outros, ou seja, inúmeros prejuízos. Várias são as enfermidades reprodutivas que acometem os bovinos. O aborto causa maior impacto, mas não é a enfermidade que causa maior perda.

O aborto em bovinos ocorre nos diversos estádios gestacionais e possui
diversas causas, de modo que é fundamental o seu diagnóstico. As causas
principais são a brucelose, leptospirose, campilobacteriose, complexo herpes
vírus, trichomonose, diarréia viral bovina, intoxicações nutricionais, de manejo
e outras desconhecidas (Fraser, 1991).

Aspecto reprodutivo

A reprodução de bovinos tem como finalidade a produção de bezerros e
bezerras utilizando matrizes, a partir da maturidade sexual até o momento de
descarte e conseqüente substituição por novilhas (reposição), repetindo-se o
ciclo de geração em geração. O que se quer, por intermédio do maior e melhor conhecimento, é a aplicação das técnicas pecuárias avançadas e intensificar as parições, de forma que cada vaca, em idade reprodutiva, produza um bezerro por ano bem criado, o que demonstra a boa habilidade maternal.

A inseminação artificial é apenas um, porém importante e econômico argumento para atingir tal objetivo. A pecuária de corte usa a inseminação artificial para produção de carne, touros “melhoradores”, novilhas para a reposição e o aproveitamento de vacas que serão descartadas. Os rebanhos manejados intensivamente têm por finalidade reduzir ou manter o intervalo entre partos próximo dos 12 meses.

Monta natural

Em regiões onde há a predominância dos sistemas de criação extensiva e/ou
semi-intensiva, a monta natural tem sido utilizada em larga escala, mesmo nos
sistemas mais racionais, entretanto, alguns criadores, sobretudo os
selecionadores, já utilizam inseminação artificial e transferência de embrião.

Essas tecnologias têm mostrado respostas extraordinárias no melhoramento
genético do rebanho, num tempo muito reduzido. Também, em virtude dos
altos investimentos, houve melhor atenção com alimentação, manejo e sanidade do rebanho.

Estação de monta

A estação de monta deve ser realizada no período de maior disponibilidade de
pasto para garantir o bom estado geral das vacas e programar o nascimento dos bezerros na época menos chuvosa, com a finalidade de diminuir a mortalidade do recém-nascido. Portanto, deve ser adotado um programa de controle sanitário do rebanho, preparatório para a estação de monta. Essa, por sua vez, deve ser a mais curta possível, de no máximo 120 dias, podendo ser ajustada de acordo com o planejamento da propriedade.

Estação reprodutiva de novilhas

Com o uso estratégico de pastagens cultivadas de maior disponibilidade e
qualidade durante a estação seca, uma melhor condição nutricional é
proporcionada às novilhas que serão enxertadas e às novilhas de primeira cria.

Assim sendo, as novilhas paridas (primíparas) têm menor desgaste orgânico,
favorecendo o aparecimento do primeiro cio fértil e as novilhas a serem
enxertadas atingem mais rapidamente a condição corporal desejada.

O peso ideal para serem selecionadas ao programa reprodutivo, de novilhas
Nelores está em torno dos 290-300 kg/vivo, atingindo esse peso em criações
extensivas, por volta dos 26-30 meses. No entanto, em condições de
pastagens melhoradas, pode ser reduzida para 28-24 meses. Já para as
novilhas com sangue europeu, por volta dos 300-320 kg/vivo, dependendo da
alimentação fornecida, a partir dos 12-18 meses.

Assim sendo, cada raça tem seu peso ideal à primeira concepção e deve ser
respeitado, se o criador desejar que o animal atinja seu total desenvolvimento.
Mesmo que essas novilhas entrem em cio antes de tal condição, elas não
devem ser cobertas, pois se corre o risco de não conseguir manter as
exigências nutritivas ao seu bom desenvolvimento. Fornecer boa alimentação
às futuras vacas é, portanto, condição indispensável ao perfeito
desenvolvimento e à obtenção de bons resultados.

Estação reprodutiva de vacas

O início da estação reprodutiva vai depender de qual época se deseja que
aconteçam os nascimentos e a desmama. Uma vez que a gestação leva
aproximadamente nove meses e meio, ela deve ter seu início programado por
igual período, antes da primeira parição. A estação reprodutiva deve-se
concentrar nos períodos de melhor fornecimento de alimentos, pois como as
exigências nutritivas para reprodução são altas, o nascimento ocorre nos
períodos secos, onde a incidência de doenças é menor.

Com uma “pressão de seleção” maior (eliminação de animais pelos mais
variados motivos), pode-se melhorar esse tempo, sem ocorrer perdas, pois o
valor econômico do descarte, adquire e repõe novas matrizes (novilhas, vacas
paridas e/ou prenhes). Normalmente, quando a estação reprodutiva é muito
longa, isso nos indica que não só esse fator deve ser corrigido, na determinada
propriedade, pois sempre está associado a várias outras formas de manejo não tão adequadas.

A implantação da técnica de inseminação artificial, em fazendas sem estação
reprodutiva definida, pode ser feita de forma rápida, pela seleção de matrizes e
formação dos lotes, pastos reservados, treinamento de mão-de-obra (formação
de inseminadores), preparação de rufionas e aquisição de materiais. As demais condições, a maioria das propriedades possui, mas não devemos esquecer que cabe ao veterinário (após observar e analisar a propriedade como um todo), a palavra técnica final, assumir, assim, posição decisiva para o sucesso ou o fracasso da implantação da técnica de inseminação artificial (Mies Filhos, 1970).

Diagnóstico de gestação

O diagnóstico feito precocemente identifica fêmeas não-gestantes e é ferramenta importante em procedimentos futuros, pois viabiliza a tomada de providências, tais como a redução do período parto-concepção, descarte de animais improdutivos, impedindo gastos desnecessários com alimentação dos mesmos, além da viabilização da avaliação da eficiência de programas reprodutivos (sincronização de cio, inseminação artificial (IA), transferência de embriões (TE), fertilização in vitro de embriões (FIV), entre outros), minimizando, assim, as perdas econômicas.;

Esse exame pode ser realizado por meio de palpação retal, uso de aparelho de
ultra-som+ e dosagens hormonais, sendo mais utilizada a palpação retal, que é
realizada por um médico veterinário qualificado, que poderá diagnosticar desde
uma possível gestação até graves problemas reprodutivos.

Habilidade materna

A habilidade materna (capacidade de criar bezerros sadios e desmamá-los
pesados), embora muitas vezes não levadas em consideração, traz grandes
prejuízos. Matrizes que não desmamam bezerros pesados apresentam baixa
habilidade materna, não sendo consideradas boas mães. Os motivos geralmente são: por defeitos de úbere como o de possuir peitos muito grossos (onde o recém-nascido tem dificuldade de “pegar”); ou peitos secos por inúmeras causas; não produzir leite suficiente; além da natural diminuição de produção de leite pela idade avançada; mães que enjeitam (rejeitam) bezerros, dentre outras causas.

Biotecnologias utilizadas em reprodução animal

Inseminação artificial


A inseminação artificial é uma das técnicas mais simples e de baixo custo
empregada na área de reprodução animal e a que apresenta melhor resultado,
quando se pretende realizar a seleção e o melhoramento genético de um
rebanho como um todo (Vale, 2002). O melhoramento genético é realizado por
meio do uso de sêmem de reprodutores de comprovado valor zootécnico e da
sua utilização em rebanhos selecionados, pelo processo de inseminação
artificial. Apesar de sua simplicidade, a inseminação artificial requer um
criterioso e rígido controle de suas diferentes etapas, que vai desde a seleção
do reprodutor doador de sêmem, passando pelo processamento tecnológico
deste, seleção e controle do rebanho, chegando até o treinamento do
inseminador (Ohashi, 2002).

A detecção de cio é citada como a principal limitação para a implantação de um programa de inseminação artificial. Dessa forma, a eficiência da detecção de cio é um objetivo que nem sempre é alcançado de forma satisfatória, apresentando grande influência sobre a performance e produção de um rebanho (Martinez et al. 2001).

Vantagens

• Permitir maior aproveitamento de reprodutores que apresentam características melhoradoras. Em condições de monta natural, um touro produz até 50 bezerros/ano, enquanto que com a inseminação artificial, pode produzir 5.000 ou mais bezerros/ano.

• Facilitar a seleção genética do rebanho, possibilitando ao criador trabalhar
com várias linhagens de reprodutores.

• Evitar a consangüinidade do rebanho por meio da utilização facilitada de
sêmen de diversos reprodutores de outros criatórios.

• Diminuir a quantidade de touros na fazenda, facilitando o manejo e evitando
brigas, reduzindo também os gastos com a aquisição e a manutenção de
reprodutores.

• Assegurar ao proprietário a possibilidade de estocar e utilizar o sêmen de um
reprodutor, mesmo depois de morto.

• Possibilitar aos criadores com condições financeiras limitadas, a utilização de
reprodutores de alto valor zootécnico, graças ao baixo custo e facilidade de
transporte do sêmen.

• Contribuir para um maior controle sanitário e reprodutivo do rebanho,
eliminando as doenças da reprodução como campilobacteriose, brucelose e
outras.

• Colaborar, por meio da assistência médica veterinária contínua e da
organização detalhada do rebanho, na detecção de possíveis problemas.

• Controlar todo o rebanho e determinar os índices de fecundação, natalidade,
eficiência reprodutiva, número de serviços por concepção, entre outros, e
eliminar animais com fertilidade inferior à do rebanho.

Limitações

• Exige pessoal habilitado, para realizar a correta observação do cio, além de
equipamentos especiais.

• Necessita de um inseminador capacitado, honesto e responsável.
• Pode disseminar rapidamente características indesejáveis quando não se
conhece o reprodutor utilizado.

• Pode propagar algumas doenças, causar lesões e infecções no aparelho
reprodutivo da fêmea quando o método não é utilizado corretamente.

• É necessário um manejo adequado, com boa alimentação, mineralização
correta, assistência médica veterinária e responsabilidade.

• Conforme a localização da propriedade, o fornecimento periódico de
nitrogênio líquido pode ser dificultado.

Transferência de embriões

A transferência de embriões (TE), é uma biotécnica que permite recolher
embriões de uma fêmea doadora e transferi-las para fêmeas receptoras, com a
finalidade de completarem o período de gestação. Apesar dos procedimentos
sofisticados necessários para sua implantação, a TE é uma técnica
mundialmente difundida. Sua importância básica para a produção animal consiste na possibilidade de uma fêmea produzir um numero de descendentes
muito superiores ao que seria possível obter fisiologicamente, durante sua vida
reprodutiva (Reichenbach et al. 2002).

Além de equacionar problemas relativos à questão de ordem genética e
sanitária, a TE fornece a base técnica para viabilizar a implementação de
biotécnicas afins, como a produção de clones e de animais transgênicos.

Vantagens

• Controla a transmissão de doenças infecto-contagiosas.

• Acelera o melhoramento genético do rebanho.

• Possibilita a maior disseminação de material genético das fêmeas de alto valor zootécnico.

Limitações

• Necessita de pessoal altamente qualificado.

• Ainda é uma técnica com elevados custos, sendo utilizada apenas por
poucos criadores.

Sincronização de cio

A sincronização de cios como biotécnica reprodutiva associada à inseminação
artificial permite a otimização da fertilidade nos rebanhos pela redução da
temporada reprodutiva. A sincronização da ovulação por métodos hormonais
em bovinos tem apresentado resultados animadores. Essa técnica permite
realizar a inseminação artificial em tempo fixo, sem a necessidade de
observação de cio, facilitando o manejo do rebanho e otimizando o emprego
dessa biotecnologia a campo. Assim, observa-se grande economia de mão-deobra, além da possibilidade de agrupar e programar as inseminações,
otimizando os trabalhos em dias determinados (Ribeiro et al. 2001).

A sincronização de cios tem como principal vantagem a eliminação da
necessidade de observação de cio e, consequentemente, a diminuição da
estação reprodutiva, facilitando o manejo e concentrando os partos em uma
época mais favorável do ano.


Porém, essa é uma técnica ainda bastante cara, pois necessita de mão-de-obra qualificada e uso de drogas com preço relativamente elevado por animal.

Produção in vitro de embriões

As técnicas de PIV (produção in vitro de embriões) têm sido utilizadas nos
diferentes segmentos da reprodução assistida das áreas humana e animal.
Adicionalmente, ela tem respaldado o desenvolvimento de biotécnicas
clonagem, transgênese, sexagem, etc.

Na produção animal, particularmente nos bovinos, a utilização da PIV ainda é
limitada em virtude da inconsistência dos resultados referentes às taxas e
qualidades das mórulas e blástulas, do custo inicial para a construção da infraestrutura e do tempo consumido para executar a rotina de produção de
embriões, que vai desde a punção folicular in vitro até o desenvolvimento in
vitro de embriões.

Considerações finais

Outras técnicas extremamente importantes que as propriedades devem adotar,
visando à melhoria da eficiência reprodutiva são: determinar uma estação de
monta mais curta possível e conciliar os interesses de todos os segmentos da
cadeia produtiva, tais como, criadores, invernistas, frigoríficos e consumidores,
no tocante ao nascimento e desenvolvimento da cria, taxa de desmama,
intervalo entre partos, crescimento pós-desmame, rendimento, cobertura de
gordura, maciez da carne, categoria e tipo de animal, bem como custo/beneficio com bom retorno econômico favorável ao pecuarista.

A obtenção da máxima eficiência só é possível por meio de planejamento e
execução de um bom programa de reprodução e melhoramento genético
utilizando as biotécnicas com eficácia, além de treinamento e valorização do
homem.

 
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.

seta