Embrapa Arroz e Feijão
Sistemas de Produção, 2
ISSN 1679-8869 Versão eletrônica
Jan/2003
Cultivo do Feijoeiro Comum

Carlos A. Rava
Edson Herculano Neves Vieira

Início

Importância econômica
Clima
Solos
Fixação Biológica de Nitrogênio
Calagem e Adubação
Cultivares
Sementes
Plantio
Irrigação
Manejo de plantas daninhas
Doenças e métodos de controle
Pragas e métodos de controle
Uso de agrotóxicos
Colheita e pós-colheita
Mercado e comercialização
Referências
Glossário


Expediente

Sementes


Produção de sementes

Uma semente de qualidade deve ter:

1) pureza genética, que irá expressar-se no potencial produtivo, nas suas características agronômicas, na reação a doenças e pragas, nas características da semente, entre outras;

2) pureza física, determinada pelo grau e tipo de contaminantes presentes no lote;

3) qualidade fisiológica, evidenciada pelo seu potencial em gerar uma nova planta, perfeita e vigorosa, sob condições favoráveis; e

4) bom estado fitossanitário, pois a boa semente não deve veicular patógenos, capazes de afeta negativamente, a emergência e o vigor das plântulas e constituir o inóculo primário para o desenvolvimento de epidemias conseqüente redução no rendimento.

Outro fator importante para o processo produtivo da semente é a descrição da cultivar, que fundamenta sua identidade, resguarda os direitos de seus criadores e, ainda, serve de suporte ao registro da cultivar, às inspeções dos campos de produção, ao processamento, à análise laboratorial e à comercialização.

A escolha da região de produção é de fundamental importância. O Brasil Central, norte de São Paulo, Minas Gerais e zonas do Nordeste brasileiro apresentam clima apropriado para a produção de sementes de feijão de alta qualidade. Já as condições climáticas da Região Sul, com temperaturas mais baixas e alta umidade, exigem dos produtores de sementes a adoção de uma estratégias especiais de manejo e tratamento fitossanitário, para a obtenção de um produto sadio.

Recentemente, nas várzeas tropicais do Estado do Tocantins, durante a entressafra do arroz, o feijoeiro tem sido cultivado utilizando o método de subirrigação. Pela elevação do nível de água nos canais, a água na gleba eleva-se por capilaridade, tornando-se disponível à semente e, mais tarde, às raízes das plantas. Este método, por não apresentar limitações com relação à disseminação de doenças, tem proporcionado excelentes resultados. A irrigação por aspersão favorece a disseminação e o desenvolvimento de doenças da parte aérea e a irrigação por sulco, pode causar o transporte de estruturas de resistência de patógenos (clamidosporas, esclerócios, etc.) de um local para outro. Assim, uma nova alternativa para a obtenção de sementes de alta qualidade sanitária, fisiológica e genética pode ser viabilizada pela produção, em várzeas tropicais, com subirrigação durante o inverno.

A semente genética, cuja produção é de responsabilidade da equipe de melhoramento, deve reproduzir fielmente as características hereditárias da cultivar e estar livre de misturas varietais e de doenças transmissíveis por semente. Dependendo da quantidade inicial de semente genética e da demanda por semente básica pode ser produzida uma classe intermediária, denominada de semente "pré-básica". Esta classe, embora não oficialmente reconhecida na legislação, tem sido utilizada com certa freqüência, visando à obtenção de maior volume de semente básica na multiplicação subseqüente. A necessidade de maior quantidade de semente básica decorre da maior demanda de semente certificada, resultante da recomendação de determinada cultivar ou do aumento da utilização de sementes de outras categorias. Para a obtenção da semente genética, nos lotes de produção de sementes para o segundo ano dos ensaios de valor de cultivo e uso (VCU), que é a última fase de avaliação das linhagens do programa de melhoramento, 100 plantas são selecionadas e colhidas individualmente. A semente proveniente destas plantas é semeada manualmente em linhas de 5m de comprimento, distanciadas de 1m, constituindo um bloco de 100 linhas. Para a obtenção de aproximadamente 2000 kg de semente "pré-básica", é semeado 1 ha, com uma distância entre linhas de 0,7m e uma densidade de plantio de cinco sementes por metro linear. Os blocos devem ser separados com corredores de, no mínimo, 5m de largura. Para a produção da semente básica e demais categorias de semente, regiões com temperaturas mínimas superiores a 17ºC, nos meses de abril a setembro (por exemplo: noroeste de Goiás e Estado do Tocantins), são as mais apropriadas para a obtenção de semente com alta qualidade sanitária.

Copyright © 2002, Embrapa

Topo da Página