Embrapa Arroz e Feijão
Sistemas de Produção, No.5
ISSN 1679-8869 Versão eletrônica
Dezembro/2005
Cultivo do Feijão Irrigado na Região Noroeste de Minas Gerais
Alcido Elenor Wander
Osmira Fátima da Silva

Introdução e Importância Econômica
Clima
Solos
Adubação
Cultivares
Produção de Sementes
Plantio e Tratos Culturais
Irrigação
Manejo de Plantas Daninhas
Doenças e Métodos de Controle
Pragas e Métodos de Controle
Normas Gerais para o Uso de Agrotóxicos
Colheita
Pós-Colheita
Mercado e Comercialização
Coeficientes Técnicos, Custos, Rendimentos e Rentabilidade
Referências
Glossário
Autores

Expediente

Coeficientes Técnicos, Custos, Rendimentos e Rentabildiade

Os coeficientes técnicos utilizados neste artigo baseiam-se em levantamentos realizados pela Embrapa Arroz e Feijão no município de Unaí, MG, no ano de 2004. Para tanto, foram obtidas informações sobre o uso de insumos e operações agrícolas na produção de feijão de inverno, sob irrigação de pivô central, em plantio direto, ou seja, feijão irrigado com alta tecnologia, para duas situações de manejo: modal, o predominante na região, e o indicado, o melhorado pela pesquisa.

Insumos
Operações agrícolas
Custos de produção
Rendimentos
Rentabilidade

Insumos
Entre os principais insumos necessários para a produção de feijão irrigado, com alta tecnologia, estão a semente, os fertilizantes e corretivos de solo, e os agroquímicos, herbicidas, inseticidas e fungicidas (Tabela 1).

Operações agrícolas
Na Tabela 2 são relacionadas as operações agrícolas necessárias para a produção de feijão irrigado.

Custos de produção
Os custos de produção de 1 hectare de feijão irrigado, com alta tecnologia, nas situações de manejos modal e indicado, foram obtidos multiplicando-se os coeficientes técnicos - insumos e operações agrícolas - pelos respectivos valores unitários. Esclarece-se que esses valores referem-se aos gastos proporcionais à variação do volume da produção, em determinado período de tempo, o qual, no caso, corresponde ao ano de 2004, para as cultivares do grupo carioca, sendo os valores dos componentes do custo da produção expressos em moeda corrente brasileira.
Para a análise do custo de produção (Tabela 3) foram computados os custos variáveis com insumos, operações com máquinas e implementos - com base no valor da hora alugada - e serviços de mão-de-obra contratados, considerando-se os preços vigentes em abril de 2004. Foram também consideradas as despesas com as operações de pós-colheita, tais como secagem e limpeza dos grãos, e outros custos financeiros, como seguro de vida, taxa de administração, assistência técnica, de natureza cooperada, juros de custeio da lavoura, em consonância com o Banco do Brasil e a Contribuição Especial para a Seguridade Social Rural (CESSR), o antigo Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

 
Tabela 1. Insumos necessários para a produção de 1 hectare de feijão irrigado, com alta tecnologia, em duas situações de manejo, em Unaí, MG, na safra 2004.
Insumo

Manejo predominante
(modal)

Manejo melhorado
(indicado)
Calcário dolomítico
1,0 t
1,0 t
Herbicida Glifosate
3,0 L
3,0 L
Herbicida 2,4-D
1,0 L
1,0 L
Semente
70 kg
70 kg
Fungicida Carboxin + Thiran
0,25 L
0,25 L
Inseticida Tiametoxan
0,1 kg
0,1 kg
Micronutrientes (cobre + molibdênio)
0,1 L
0,1 kg
Adubo NPK 05-37-00
300 kg
-
Adubo NPK 08-28-12
-
380 kg
Cloreto de potássio
100 kg
-
Uréia
200 kg
200 kg
Herbicida Fomesafen (folha larga)
0,6 L
0,6 L
Herbicida Bentazona (folha larga)
0,8 L
0,8 L
Herbicida Fluazifop-P-butílico (folha estreita)
0,5 L
0,5 L
Inseticida Metamidofós
0,6 L
-
Inseticida Thiamethoxam + Cipermetrina
0,2 kg
-
Inseticida Endosulfan
2,5 L
-
Inseticida Abamectina
0,4 L
0,4 L
Inseticida Acefato
-
0,5 kg
Fungicida Hidroxido de trifenil estanho
0,5 L
-
Fungicida Tebuconazole
0,5 L
-
Fungicida Azoxystrobin
0,1 kg
0,1 kg
Fungicida Fluazinam
-
1,0 L
Óleo mineral Assist
1,0 L
-
Energia elétrica (irrigação)
960 Kwh
960 Kwh
Sacaria
45 unid.
50 unid
Fonte: SILVA et al. (2004).

Tabela 2. Operações agrícolas necessárias para a produção de 1 hectare de feijão irrigado, com alta tecnologia, em duas situações de manejo, em Unaí, MG, na safra 2004.
Operação agrícola
Manejo predominante (modal)
Manejo melhorado (indicado)
Aplicação de calcário
0,3 hm
0,3 hm
Limpeza da área com roçadeira
1,0 hm
-
Aplicação de dessecante
0,15 hm
0,15 hm
Tratamento de sementes
0,15 hm
0,15 hm
Plantio direto com nove linhas
0,8 hm
0,8 hm
Transporte interno
0,1 hm
0,1 hm
Adubação de cobertura
0,2 hm
0,4 hm
Aplicação de herbicidas pós-emergentes
0,3 hm
0,3 hm
Aplicação de inseticidas + fungicidas
0,4 hm
0,4 hm
Mão-de-obra no manejo integrado de pragas
-
0,02 dh
Arranquio manual
8,0 dh
8,0 dh
Trilha com recolhedora-trilhadora
1,2 hm
1,2 hm
hm = hora máquina; dh = dia homem.
Fonte: SILVA et al. (2004).

Tabela 3. Custo de produção de 1 hectare de feijão irrigado, com alta tecnologia, em duas situações de manejos, em Unaí, MG, na safra 2004.
 
Manejo predominante (modal)
Manejo melhorado
(indicado)
Componente
Custo (R$/ha)
Participação
(%)
Custo (R$/ha)
Participação (%)
Preparo da área
160,50
6,90
115,50
4,48
Semente/Tratamento
224,00
9,63
374,50
14,54
Plantio/Adubação
435,00
18,70
425,00
16,50
Tratos culturais
1.016,00
43,68
1.125,74
43,70
Colheita
294,35
12,65
297,10
11,53
Outros custos
134,21
5,77
169,37
6,57
Custos de comercialização
62,10
2,67
69,00
2,68
Custo total
2.326,16
100,00
2.576,21
100,00
Fonte: SILVA et al. (2004).

Rendimentos
O rendimento médio, por hectare, estimado no custo de produção exposto na Tabela 3, varia de 2,7 t ha-1 (= 45 sc de 60 kg ha-1) a 3,0 t ha-1 (= 50 sc de 60 kg ha-1), considerando-se os insumos relacionados na Tabela 1 e as operações agrícolas listadas na Tabela 2.

Rentabilidade
Com o preço da saca de 60 kg de feijão fixado a R$ 60,00, em dezembro de 2004, a receita bruta obtida pelos produtores, por hectare, foi de R$ 2.700,00 (= 45 sc de 60 kg ha-1) e de R$ 3.000,00 (= 50 sc de 60 kg ha-1) nos manejos modal e indicado, respectivamente. Baseando-se no custo de produção de 1 saco de feijão de 60 kg a R$ 51,69, no manejo modal, e a R$ 51,52, no manejo indicado, a relação benefício/custo, para as duas situações de manejo, foi de 1,16, ou seja, um retorno de 16% sobre os recursos aplicados na cultura.
O ponto de equilíbrio ou nivelamento, por hectare, foi de 38,8 sc 60 kg e de 42,9 sc 60 kg nas situações de manejos modal e indicado, respectivamente, o que significa que essas produtividades cobrem o custo de produção do feijão irrigado em Unaí, MG, na safra 2004. Admitindo-se variações de R$ 50,00 a R$ 100,00 no preço de comercialização da saca de 60 kg de feijão, observa-se grande variação do ponto de equilíbrio (Tabela 4).

Tabela 4. Variação do ponto de equilíbrio em função do preço da saca de 60 kg de feijão nos manejos modal e indicado.
Manejo modal
Preço da saca de 60 kg de feijão
R$ 50,00
R$ 60,00 R$ 70,00
R$ 80,00
R$ 90,00
R$ 100,00
Custo operacional total, por hectare (R$)
2.326,16
2.326,16
2.326,16
2.326,16
2.326,16
2.326,16
Ponto de equilíbrio, por hectare (saco de 60 kg)
46,52
38,77
33,23
29,08
25,85
23,26
Manejo indicado
Custo operacional total, por hectare (R$)
2.576,21
2.576,21
2.576,21
2.576,21
2.576,21
2.576,21
Ponto de equilíbrio, por hectare (saco de 60 kg)
51,52
42,94
36,80
32,20
28,62
25,76

 

 

Informações Relacionadas
Sistemas e custos de produção de feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.) em diferentes épocas e regiões de cultivo.

Todos os direitos reservados, conforme Lei nº 9.610.