Embrapa Milho e Sorgo
Sistema de Produção, 1
Doenças
Alexandre da Silva Ferreira
Carlos Roberto Casela
Fernando Tavares Fernandes
Nicésio F. J. de Almeida Pinto

Cultivo do Milho

Importância econômica
Zoneamento Agrícola
Clima e Solo
Ecofisiologia
Manejo de Solos
Fertilidade de Solos
Cultivares
Plantio
Irrigação
Plantas daninhas
Doenças
Pragas
Colheita e pós-colheita
Mercado e comercialização
Coeficientes técnicos
Referências bibliográficas
Glossário
Revisores

Doenças causadas por molicutes e por vírus

Rayado Fino (Maize Rayado Fino Virus)

Importância e Distribuição: A virose rayado fino, também, denominada de risca, pode reduzir a produção de grãos em até 30% e ocorre nas principais regiões produtoras de milho. Essa doença é transmitida e disseminada por uma cigarrinha de cor palha, tamanho de 0,5cm, denominada Dalbullus maidis (Figura 1).

Sintomas: Os sintomas característicos são riscas formadas por numerosos pontos cloróticos coalescentes ao longo das nervuras que são facilmente observados quando as folhas são colocadas contra a luz (Figura 2).

Epidemiologia: O virus do rayado fino ocorre sistemicamente na planta de milho que é transmitido de forma persistente propagativa pela cigarrinha Dalbullus maidis que ao se alimentar em plantas doentes adquire o virus que o transmite para plantas sadias. O período latente entre a aquisição desse virus e sua transmissão varia de 7 a 37 dias. A incidência e a severidade dessa doença são influenciadas por grau de susceptibilidade da cultivar, por semeaduras tardios e por população elevada de cigarrinha coincidente com fases iniciais de desenvolvimento da lavoura de milho. O milho é principal hospedeiro tanto do virus como da cigarrinha.

Controle: O método mais eficiente e econômico para controlar o virus rayado fino é a utilização de cultivares resistentes. Práticas culturais recomendadas que reduzem a incidência dessa doença no milho são: eliminação de plantas voluntárias de milho, fazer o pousio por um período de dois a três meses sem a presença de plantas de milho, alterar a época de semeadura evitando, as semeaduras tardias e sucessivas de milho.

 

Mosaico comum do milho

Maize Dwarf Mosaic Virus (MDMV)
Sugar Cane Mosaic Virus (SCMV)
Johnson Grass Mosaic Virus (JGMV)
Sorghum Mosaic Virus (SrMV)

Importância e Distribuição: O mosaico comum do milho ocorre, praticamente, em toda região onde se cultiva o milho. Calcula-se que essa doença pode causar uma redução na produção de 50%.

Sintomas: Os sintomas caracterizam-se pela formação nas folhas de manchas verde claro com áreas verde normal dando um aspecto de mosaico(Figura 3). As plantas doentes são, normalmente, menores em altura e em tamanho de espigas e de grãos.

Agente Causal: O mosaico comum do milho é causado por um complexo viral pertencente ao grupo Potyvirus. Dentre eles incluem-se o "Maize Dwarf Mosaico Virus" (MDMV), O "Sugar Cane Mosaico Virus" (SCMV), o "Johnson Grss Mosaico Virus" (JGMV) e o "Sorghum Mosaico Virus" (SrMV).

Epidemiologia: A transmissão do mosaico comum do milho é feita por várias espécies de pulgões. Os vetores mais eficientes são as espécies Ropalosiphum maidis, Schizophis graminum e Myzus persicae. Os insetos vetores adquirem os virus em poucos segundos ou minutos e os transmitem, também, em poucos segundos ou minutos. A transmissão desses virus pode ser feita, também, mecanicamente. Mais de 250 espécies de gramíneas são hospedeiras dos virus do mosaico comum domilho.

Controle: A utilização de cultivares resistentes é o método mais eficiente para controlar essa virose. A eliminação de outras plantas hospedeiras pode contribuir na redução da incidência dessa doença. A aplicação de inseticidas para o controle dos vetores não tem sido um método muito efetivo no controle do mosaico comum do milho.

 

Enfezamentos

Pálido (Spiroplasma)
Vermelho (Phytoplasma)

Importância e Distribuição: Os enfezamentos do milho, causados por Spiroplasma e por Phytoplasma, são considerados doenças importantes para a cultura do milho por afetarem a produtividade desse cereal e por sua ocorrência generalizada nas principais regiões produtoras de milho. Essas doenças são transmitidas e disseminadas por uma cigarrinha de cor palha, tamanho de 0,5cm, denominada Dalbulus maidis (Figura 1).

Sintomas: Enfezamento pálido: Os sintomas característicos são estrias esbranquiçadas irregulares na base das folhas que se estendem em direção ao ápice (Figura 4). Normalmente, as plantas são raquíticas devido ao encurtamento dos entrenós, pode haver uma proliferação de espigas pequenas e sem grãos. Quando há produção de grãos, eles são pequenos, manchados e frouxos na espiga. As plantas podem secar precocemente.
Enfezamento vermelho: Os sintomas típicos dessa doença são o avermelhamento das folhas, a proliferação de espigas, perfilhamento na base da planta e nas axilas foliares e encurtamento dos entrenós (Figura 5).

Agente Causal: O enfezamento pálido é causado por procarionte pertencente ao gênero Spiroplasma denominado pelo nome comum espiroplasma. O enfezamento vermelho é causado por procarionte pertencente ao gênero Phytoplasma denominado pelo nome comum fitoplasma.

Epidemiologia: Molicutes Spiroplasma e Phytoplasma ocorrem somente em células do floema de plantas doentes de milho que são transmitidos de forma persistente propagativa pela cigarrinha Dalbulus maidis que ao se alimentar em plantas doentes adquire os molicutes que os transmite para as plantas sadias. O período latente entre a aquisição do patógeno e sua transmissão pela cigarrinha varia entre 12 e 28 dias para Spiroplasma enquanto para Phytoplasma a variação é de 22 a 26 dias. A incidência e severidade dessas doenças são influenciadas por grau de susceptibilidade da cultivar, por semeaduras tardias, temperaturas elevadas e densidade elevada de cigarrinhas coincidente com fases iniciais de desenvolvimento da lavoura de milho.

Controle: O controle dessas doenças mais eficiente é a utilização de cultivares resistentes. Outras práticas recomendadas para o manejo dessas doenças são: evitar semeaduras sucessivas de milho, fazer o pousio por período de dois a três meses sem a presença de plantas de milho e alterar a época de semeadura evitando-se a semeadura tardia do milho.

Voltar

Informações Relacionadas
Principais doenças na cultura do milho
Compendium of corn diseases
Metodologias de avaliação, quantificação de danos e controle genético da resistência à Puccinia polysora Underw. e Physopella zeae (Mains) Cummins e Ramachar na cultura do milho
 

Copyright © 2000, Embrapa

Topo da Página