Embrapa Clima Temperado
Sistemas de Produção, 7
ISSN 1806-9207 Versão Eletrônica
Nov./2005

Produção de Matrizes de Morangueiro
por meio de Cultura de Tecidos

Autores

Sumário
Início
 
Introdução
Quadro atual do setor de produção de mudas no Brasil
Mudas Certificadas
Ações da Embrapa Clima Temperado na produção de mudas
Cultivares
Produção de matrizes por cultura de tecidos
Controle de qualidade
Análise de viabilidade econômica
Considerações finais
Autores
Referências
 
Expediente
Ações da Embrapa Clima Temperado na Prodrução de Mudas

A Embrapa Clima Temperado, sediada em Pelotas-RS, vem dando suporte ao programa nacional de certificação de mudas de morangueiro. A Empresa vem trabalhando há quase três décadas com a cultura, tendo acumulado um significativo conhecimento técnico-científico. Um banco de matrizes das principais cultivares foi estabelecido em condições de casa-de-vegetação; novas cultivares têm sido introduzidas de outros países e avaliadas fitotecnicamente em diferentes agroecossistemas; mudas produzidas por viveiristas nacionais e importadas têm sido avaliadas quanto à qualidade fitossanitária; técnicos de laboratório de empresas públicas e privadas de produção de matrizes e viveiristas têm sido capacitados; e tem sido conduzido um programa de conscientização de produtores sobre a importância da utilização de mudas de qualidade.

Cultivares

Em função do início do florescimento, as cultivares de morangueiro são divididas em dois grupos:

Cultivares de dia curto

São aquelas que iniciam o florescimento em condições de fotoperíodo curto (geralmente menor do que 12 horas) e temperatura baixa, o que corresponde ao outono. As principais cultivares utilizadas no Brasil são:

* 'Campinas': cultivar bastante antiga gerada pelo Instituto Agronômico (IAC), em 1955, resultante de cruzamento controlado entre 'Donner' e 'Tahoe'. Apresenta alta produtividade e baixa exigência em frio, é rústica e precoce. As folhas são densas, com coroa grossa e número médio de perfilhos. Os frutos são grandes, geralmente em formato de cone, mas, por vezes, em leque; a epiderme é vermelha-rosada brilhante; a polpa rosada, mole e adocicada; apresenta cavidade no interior do fruto; o sabor doce é ligeiramente ácido e o aroma fraco; sendo próprios para consumo in natura. O período de conservação dos frutos é reduzido, no caso de serem colhidos no estádio totalmente maduro. A cultivar é tolerante à mancha angular, e suscetível à antracnose do caule e do fruto, à mancha de micosferela, ao mofo cinzento e à mancha de dendrofoma (Ronque, 1998; Santos, 1993; Santos, 2003).

* 'Vila Nova': cultivar obtida pela Embrapa Clima Temperado, resultante do cruzamento entre 'Konvoy-Cascata' e 'Lasem'. As plantas apresentam porte médio; as folhas são de densidade e tamanho médios e de coloração verde-escura. Os frutos são de dupla finalidade (indústria e consumo in natura); formato cônico, longos e graúdos quando das flores primárias e secundárias, e pequenos, quando das flores terceárias e quaternárias. A epiderme dos frutos é vermelha, com polpa de textura média e de coloração vermelha, sabor subácido e aroma intenso e atrativo. A produção é precoce, sendo uma cultivar de alta produtividade, resistente à mancha de micosferela e à mancha de dendrofoma, tolerante à antracnose e susceptível ao mofo cinzento e às podridões do colo e de rizoma (Santos, 1993; Santos, 2003).

* 'Santa Clara': cultivar obtida pela Embrapa Clima Temperado, resultante de polinização livre da cultivar Konvoy-Cascata. As plantas são vigorosas, com alta densidade de folhas, ciclo médio e produtividade alta. Os frutos são de tamanho médio, formato irregular, epiderme vermelha-escura, polpa de textura média e cor vermelha uniforme e sabor ácido, sendo próprios para industrialização. A cultivar é resistente à mancha de micosferela, à mancha de diplocarpon e à mancha de dendrofoma; e tolerante à antracnose e ao mofo cinzento (Santos, 1993; Santos, 2003).

* 'Bürkley': cultivar selecionada no município de Pelotas, de uma população cultivada pelo produtor Armindo Bürkley, a partir de germoplasma introduzido da Alemanha. Apresenta ciclo precoce e alta capacidade de produção. As plantas são vigorosas, com folhas grandes de coloração verde-escura. As plantas apresentam alta variabilidade quanto ao formato dos frutos, possivelmente em decorrência de misturas dentro da cultivar. Os frutos são grandes, com epiderme vermelha, polpa de textura média e coloração vermelha-clara e sabor ácido, sendo própria para a industrialização. A cultivar é resistente à mancha de micosferela, à verticilose e à mancha de dendrofoma; tolerante à mancha de diplocarpon e à antracnose; e suscetível ao mofo cinzento (Santos, 1993; Santos, 2003).

* 'Dover': cultivar obtida na Universidade da Flórida, em 1973, resultante do cruzamento entre 'Florida Belle' e 'Fla. 71-189' (Howard & Albregts, 1980). As plantas apresentam vigor médio, coroa grossa, produção precoce e produtividade alta. Os frutos são grandes, com formato cônico-alongado, epiderme e polpa firmes e com coloração vermelha-intensa, sabor pouco ácido e aroma pouco evidenciado (Groppo et al., 1997). Os frutos apresentam grande variabilidade de tamanho, formato e sabor. A cultivar é suscetível à antracnose. Foi a mais plantada no País nos anos de 1993-95, sendo que vem sendo, gradativamente, substituída por outras cultivares que apresentam características organolépticas superiores (Santos, 2003).

* 'Oso Grande': desenvolvida na Universidade da Califórnia, em 1977, resultado do cruzamento entre as cultivares 'Parker' e 'Cal. 77.3-603' (United States of America, 1996). Trata-se de uma cultivar de grande adaptabilidade, ciclo mediano e elevada capacidade produtiva. As plantas são vigorosas, com folhas grandes e coloração verde-escura. Os frutos são de tamanho grande, polpa de textura firme no início da produção e mediana no final da colheita, coloração da epiderme vermelha-clara, sabor subácido e bastante aromático, sendo próprios para consumo in natura. A cultivar é tolerante ao mofo cinzento e susceptível à mancha de micosferela e à antracnose (Santos, 2003).

* 'Camarosa': originária da Universidade da Califórnia. As plantas são vigorosas, com folhas grandes de coloração verde-escura. O ciclo de produção é precoce, com alta capacidade de produção. Os frutos são grandes e uniformes, com epiderme vermelha-escura, polpa firme, coloração interna vermelha-escura e uniforme, e o sabor é sub-ácido, sendo próprios para consumo in natura e industrialização. A cultivar é susceptível à mancha de micosferela, à antracnose do caule e do fruto e ao mofo cinzento (Santos, 2003; Shasta Nursery, 2004).

* 'Sweet Charlie': obtida na Universidade da Flórida, em 1992. As plantas são compactas, com folhas de tamanho médio e muita pilosidade. A produção é tardia, sendo bastante produtiva. Os frutos são de tamanho médio, firmes, de coloração interna vermelha-clara, sabor doce característico, baixa acidez e alto conteúdo de vitamina C, sendo própria para consumo in natura. A cultivar é tolerante à antracnose do caule e do fruto, e suscetível à mancha de micosferela e ao mofo cinzento (Santos, 2003; Shasta Nursery, 2004).

* 'Tudla-Milsey': cultivar oriunda da Espanha. As plantas são compactas, de vigor médio, com folhas grandes de coloração verde-escura e sistema radicular bastante desenvolvido. O ciclo de produção é tardio, sendo bastante produtiva, mantendo o tamanho e a firmeza dos frutos até o final da colheita. Os frutos apresentam formato de cone ou de cunha alongada, tamanho grande, polpa firme de coloração vermelha-brilhante, epiderme vermelha, sabor sub-ácido e muito aromático, sendo recomendada para consumo in natura e industrialização. A cultivar é tolerante ao mofo cinzento, e susceptível à mancha de micosferela e à antracnose do caule e do fruto (Ronque, 1998; Santos, 2003).

* 'Camino Real': originária da Universidade da Califórnia. Apresenta alta capacidade de produção. As plantas são menores, mais compactas, mais eretas e menos vigorosas do que as da cultivar Camarosa. Os frutos são grandes, firmes, com epiderme e polpa vermelha-escura, e de bom sabor, sendo recomendada para mercado in natura e industrialização. A cultivar é resistente à verticilose e às podridões do colo e de rizoma, e relativamente resistente à antracnose e suscetível ao oídio (University of California, 2005c). Neste ano (2005), viveiristas chilenos e argentinos distribuíram mudas aos produtores do Rio Grande do Sul para teste.

* 'Ventana': originária da Universidade da Califórnia. Apresenta alta produção por planta. As plantas são grandes, vigorosas, porém não tão eretas. Os frutos são grandes, moderadamente firmes, com coloração interna e da epiderme vermelha-brilhante, ótima aparência e bom sabor, sendo recomendada para mercado in natura e industrialização. A cultivar é resistente às podridões do colo e de rizoma, moderadamente resistente à verticilose e relativamente resistente ao oídio (University of California, 2005c). Neste ano, viveiristas chilenos e argentinos distribuíram mudas aos produtores do Rio Grande do Sul para teste.

Cultivares de dia neutro

São aquelas que independem do comprimento do dia para iniciar a floração, que ocorre, inclusive, no verão. Têm sido cultivadas com sucesso na Serra Gaúcha, onde a produção ocorre no período de melhor preço da fruta, sendo muito vantajosas economicamente para o produtor. As principais cultivares utilizadas no Brasil são:

* 'Aromas': obtida na Universidade da Califórnia, em 1997. Cultivar muito produtiva, com hábito de crescimento ereto. Os frutos são de tamanho grande, coloração vermelha-escura, sabor agradável e qualidade excelente para consumo in natura e também para industrialização. A cultivar é medianamente resistente ao oídio e à antracnose, e moderadamente suscetível à verticilose. É mais resistente do que a cultivar Diamante em relação às variações nas condições ambientais (Shasta Nursery, 2004; University of California, 2005a).

* 'Diamante': obtida na Universidade da Califórnia, em 1997. As plantas são eretas e muito compactas, propícias para cultivos adensados. É bastante produtiva, produzindo frutos grandes, firmes e de excelente qualidade, sendo recomendada para consumo in natura. A coloração do interior da fruta é vermelha-clara, por isso não é adequada para industrialização. A cultivar é relativamente resistente ao oídio, e moderadamente suscetível à antracnose, às podridões do colo e de rizoma e à verticilose (Shasta Nursery, 2004; University of California, 2005b).

* 'Capitola': também chamada de 'Verão'. Foi obtida na Universidade da Califórnia, em 1991. As plantas são grandes, com alta capacidade de produção. Os frutos apresentam formato cônico, epiderme vermelha-clara, polpa vermelha com centro claro e sabor subácido, sendo recomendada para consumo in natura. O tamanho dos frutos é variável, sendo graúdos os obtidos de flores primárias e secundárias e pequenos os das demais flores. A cultivar é tolerante à micosferela e à mancha de diplocarpon, e suscetível à antracnose, verticilose e mofo cinzento (Santos, 2003; Shasta Nursery, 2004).

 

Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.