Embrapa Clima Temperado
Sistemas de Produção, 4
ISSN 1806-9207 Versão Eletrônica
Nov./2005

Cultivo do Pessegueiro

Autores

Sumário
Início
 
Importância Econômica
Clima
Solos
Adubação e Calagem
Cultivares
Produção e Obtenção de Mudas
Instalação do Pomar
Irrigação
Práticas Culturais
Manejo das Plantas Daninhas
Doenças e Métodos de Controle
Pragas e Métodos de Controle
Nematóides e Métodos de Controle
Normas Gerais Sobre Uso de Agrotóxicos
Colheita e Pós-Colheita
Industrialização do Pêssego em Calda
Coeficientes Técnicos, Custos, Rendimentos e Rentabilidade
Referências
Glossário
Autores
 
Expediente 
Importância Econômica

O pêssego e a nectarina são frutas muito apreciadas no mundo, pelo sabor, pela aparência e pelo seu valor econômico no âmbito da cadeia produtiva.

No Brasil, é possível produzir estas frutas, apenas nos estados do sul, onde predomina o clima temperado.

Produção Mundial

A produção mundial de pêssegos e nectarinas está em torno de 12 milhões de toneladas, crescendo ao redor de 20% a cada 10 anos. A China é o maior produtor mundial, com cerca de 27% de participação na oferta global, seguida da Itália e dos Estados Unidos, que produziram em 1998, 1,4 milhão e 1,3 milhão de toneladas, respectivamente.

China, Itália, Estados Unidos e Espanha juntos produzem 60% da oferta mundial, o que caracteriza uma forte concentração da produção, conforme Tabela 1.

Entretanto foi na União Européia que em 1998 se produziu 30% da fruta consumida no mundo (Tabela 2). No âmbito do Mercado Comum do Cone Sul - Mercosul destacam-se a Argentina e o Brasil com produções de 280 mil e 146 mil toneladas respectivamente. Em termos de América Latina, o Chile é o maior produtor, com produções ao redor de 285 mil toneladas. Outros destaques na produção encontram-se na Europa Oriental, onde os países árabes, a África do Sul e a Turquia têm produção ao redor de 200 mil toneladas.

No mercado mundial, o pêssego também tem grande importância, conforme pode ser visto na tabela 3.

Produção nacional, pólos de produção

No Brasil, o pêssego e a nectarina são produzidos nos Estados do Sul, onde as condições naturais, sobretudo o clima temperado, favorecem a exploração comercial.

O Rio Grande do Sul é o principal produtor, com cerca de 46% da produção nacional, ocupando uma área superior a 10 mil hectares, conforme Tabela 9.

Toda a produção nacional de pêssego e nectarina se destina ao mercado interno. O Brasil não exporta esta fruta, sendo considerado um grande mercado para os principais produtores mundiais, principalmente para o Chile, país vizinho, e tradicional exportador da América Latina.

O abastecimento nacional provém de cinco pólos nacionais de produção: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais. O período de oferta inicia em setembro com a produção paulista e conclui em fevereiro com a produção gaúcha.

1. Pólo de Fruticultura do Rio Grande do Sul

Este polo é composto por três regiões: Região da Metade Sul do RS, que compreende 29 municípios e concentra mais de 90% da produção de pêssegos destinados ao processamento no país: Região da Grande Porto Alegre, composta por 9 municípios, que produz parte da oferta de pêssegos para consumo in natura; e a Região da Serra Gaúcha, com 32 municípios onde o pêssego è produzido com certa expressão com tendência a expansão.

1.1. Situação do Pêssego/Nectarina no Pólo do RS

- Área plantada: 19.000 ha
- Área em produção: 13.000 ha
- Produtividade: 6,15 kg/ha
- Produção: 80.000 toneladas
- Principais variedades: Precocinho, Diamante, Esmeralda, Granada, Jade, Maciel, Eldorado, BR2, Chimarrita, Marli, Chiripá, Maciel, Eldorado, Jade, Leonense, Esmeralda, Granada, Cerrito, Coral e Riograndense.
- Época de Plantio: Junho/Julho
- Época de Colheita: Novembro e final de Janeiro
- Preços médios recebidos pelo produtores, safra 99/2000: R$ 0,50/kg para o produto processado advindo do sistema empresarial e R$ 0,40 para o sistema familiar e R$ 1,00 a 1,50/kg para mesa.
- Nº de emprego por hectare: 3 a 6 diretos
- Infra-estrutura disponível: a) boa estrutura de armazenamento a frio; b) packing house; c) presença de Instituições de Pesquisa e Ensino; d) Parque industrial com capacidade para processar 70 milhões de latas/safra.

2. Pólo de Fruticultura de Santa Catarina

As informações sobre a produção de pêssegos e nectarinas deste pólo considerou pomares com área mínima de 0,1 ha (1.000 m²), destinados ao mercado, mesmo que não tenham nestas espécies sua principal atividade econômica, mas que demandem capacitação e Assistência Técnica.

- Área plantada: 4.187,20 hectares
- Área em produção: 4.187,20 hectares
- Produtividade: 18 toneladas por hectare
- Produção: 30.190 toneladas
- Principais variedades: Marli, Coral, Chimarrita, Ágata, Rubidoux, Planalto e Dela Nona.
- Época de Plantio: Junho e Julho
- Época de colheita: Dezembro e Janeiro.
- Valor da produção: em torno de R$ 15.000,00 por hectare
- Nº de emprego por hectare: 2 fixos e 3 temporários
- Custos de produção: RS$ 3.316,85 no primeiro ano
- RS$ 726,86 no segundo ano
- RS$ 2.560,94 no terceiro ano
- Média de vida útil do pomar: quinze anos
- Custo/kg frutos: RS$ 4.790,29 = RS$ 0,27

3. Pólo de Fruticultura do Paraná

- Área plantada: 3.037 hectares
- Área em produção: 1.985 hectares
- Produtividade: 11,60 toneladas por hectare
- Produção: 18.317 toneladas- Principais variedades: Coral, Chimarita, São Pedro, Douradão e BR1.
- Época de Plantio: Junho e Julho
- Época de colheita: Outubro a Dezembro
- Valor da produção: em torno de R$ 12.000,00 por hectare
- Nº de emprego: 0,80 por hectare

4. Pólo de Fruticultura de São Paulo

- Área plantada: 3.266 hectares
- Área em produção: 3.266 hectares
- Produtividade: 10,77 toneladas por hectare
- Produção: 35.184 toneladas
- Principais variedades: Aurora, Flordaprince, Jóia, Dourados, Regis e Maravilha
- Época de plantio: Junho e Julho
- Época de colheita: Setembro a fins de Novembro
- Valor da produção: em torno de 16.000,00 por hectare
- Nº de emprego por hectare: 2 fixos e 3 temporários

5. Pólo de Fruticultura de Minas Gerais

- Área plantada: 750 hectares
- Área em produção: 700 ha
- Produtividade: 11,42 toneladas por hectare
- Produção: 8.000 toneladas
- Principais variedades: Sul de Minas (Diamante, Biuti, Aurora, Eldorado, Premier e Jóia). Campos das Vertentes Região de Barbacena - (Talismã, Jóia e Aurora). Sudoeste de Minas, São Sebastião do Paraíso - (Diamante e Biuti)
- Épocas de Plantio: Julho a Agosto e Novembro e Dezembro.
- Valor da produção por hectare: R$ 10.000,00
- Nº de empregos por hectare: 2 fixos e 3 diarista na colheita.

 

Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.