Embrapa Suínos e Aves
Sistemas de Produção, 2
ISSN 1678-8850 Versão Eletrônica
Jan/2003
Produção Suínos
Autores

Início

Importância Econômica
Proteção Ambiental
Planejamento da Produção
Construções
Material Genético
Nutrição
Biossegurança
Vacinação
Limpeza e Desinfecção
Monitorias Sanitárias
Tratamentos
Fatores de Risco
Manejo da Produção
Manejo Pré-abate
Manejo de Dejetos
Gerenciamento
Mercado e Comercialização
Referências Bibliográficas
Glossário


Expediente

Vacinação.


Adotar um programa mínimo de aplicação de vacinas, para prevenção das doenças mais importantes da suinocultura, respeitando as instruções oficiais (MAPA) para doenças especificas, como é o caso da vacina contra a Peste Suína Clássica e Doença de Aujeszky, que somente poderão ser utilizadas com autorização do órgão oficial de defesa sanitária.

Conservação das vacinas
Cuidados na aplicação
Programa de vacinação

 

Conservação das vacinas


Manter todas as vacinas em geladeira em temperatura entre 4 a 8°C. Jamais deixar congelar as vacinas.

 

Cuidados na aplicação

  • Ao vacinar um grupo de porcas ou leitões usar uma caixa de isopor com gelo para manter os frascos de vacina refrigerados.
  • Para evitar a contaminação da vacina que fica no frasco, usar uma agulha para retirar a vacina do frasco e outras para aplicação nos animais.
  • Desinfetar o local antes da aplicação.
  • Usar agulhas adequadas para cada tipo de animal e para cada via de aplicação conforme recomendação do quadro abaixo:


Quadro 4.
Tipo de agulha e via de aplicação nas diferentes categorias de animais.

Tipo de agulha
50/15
45/15
30/15
25/15
25/08
25/07
15/15
15/10
15/09
Via de aplicação Intra
muscular
Intra
muscular
Intra
venosa
Sub
cutânea
Intra
muscular
Categorias de animais Adultos
Crescimento
Terminação
Crescimento
Terminação Adultos
Crescimento
Terminação Adultos
Leitões
  • Aplicar a vacina corretamente, atentando para a via de aplicação (intramuscular ou subcutânea), de acordo com recomendação do fabricante.
  • Não aplicar a vacina com a agulha acoplada diretamente na seringa e sem imobilizar a porca, pois a vacina poderá ser depositada fora do local desejado.
  • Caso não deseje imobilizar a porca usar prolongamento flexível com a agulha numa das extremidades e a seringa na outra.
  • Desinfetar a tampa de frascos contendo sobras de vacina e retorná-los imediatamente para a geladeira.
  • Aplicar as vacinas com calma, seguindo as orientações técnicas, para evitar falhas na vacinação e formação de abcessos no local da aplicação.

Programa de vacinação

Existem muitas vacinas disponíveis no mercado para atender a suinocultura. A decisão de quais vacinas utilizar depende de uma avaliação individual da granja e dos riscos e perdas econômicas que representam as doenças que se deseja prevenir. Um programa básico de vacinação inclui as vacinas contra parvovirose, colibacilose, rinite atrófica e pneumonia enzoótica conforme Quadro 5.


Quadro 5.
Programa mínimo de vacinação para um rebanho suíno.

Doenças

Categoria Período Parvovirose Colibacilose Rinite atrófica Pneumonia enzoótica
Leitoas Quarentena ou chegada na granja 1a dose
-
-
-
20 a 30 dias após 2a dose
-
-
-
70 dias de gestação -
1a dose
1adose
1a dose
90 dias de gestação -
2a dose
2a dose
2a dose
Porcas 90 dias de gestação -
Uma dose
Uma dose
Uma dose
10-15 dias após o parto Uma dose
-
-
-
Cachaços Quarentena ou chegada na granja Uma dose
-
Uma dose
-
Semestralmente -
-
Uma dose
-
Anualmente Uma dose
-
-
-
Leitões Depende do fabricante ou recomendação veterinária -
-
-
Uma ou duas doses
Para um programa mais completo ver Referência n° 07.

 

     

Copyright © 2000, Embrapa