Embrapa Embrapa Uva e Vinho
Sistema de Produção, 10
ISSN 1678-8761 Versão Eletrônica
Dez./2005
Sistema de Produção de Uva de Mesa no Norte do Paraná
Jair Costa Nachtigal
Umberto Almeida Camargo
João Dimas Garcia Maia
Implantação do vinhedo

    A implantação do vinhedo abrange todas as operações que vão desde a escolha da área até a formação das plantas. É uma fase muito importante da viticultura de mesa e que deve merecer especial atenção por parte do viticultor, em função de que uma decisão errônea nessa fase poderá comprometer a produtividade, reduzir a vida útil do pomar, dificultar os tratos culturais e fitossanitários, entre outras, o que pode comprometer parcial ou totalmente a lucratividade da atividade. A seguir serão apresentadas as principais recomendações para a implantação de pomares comerciais de uvas finas para mesa na região de Marialva-PR. Embora tais recomendações sejam específicas para a região, poderão ser utilizadas para regiões com condições de clima e de solo semelhantes.

Escolha e Preparo da Área
Formação de Quebra ventos
Propagação
Sistemas de Condução
Espaçamentos
Formação da Planta

Escolha e Preparo da Área

    Sempre que possível, a parreira deve ser instalada em áreas de topografia plana ou levemente inclinada e com exposição para o norte, em virtude da maior incidência dos raios solares. De modo geral, a videira pode ser cultivada nos mais variados tipos de solos, com exceção dos solos com problemas de drenagem.
   Nessa fase é necessário eliminar os restos de cultura (raízes, troncos, etc.) que possam causar problemas com fungos de solo, fazer as devidas correções na acidez e na fertilidade do solo, eliminar pragas (cupins e formigas) e eliminar plantas invasoras de difícil controle (tiririca, grama seda, etc.). Além disso, é importante definir e planejar diversas atividades que serão realizadas na parreira, como quantidade e localização dos carreadores, localização do sistema de irrigação, etc.

Formação de Quebra ventos

    A formação de quebra-ventos no contorno da latada é recomendável para diminuir a velocidade do vento. O vento provoca a quebra de brotos, dificulta a orientação dos ramos durante a formação dos braços causando deformações na estrutura da planta. Algumas espécies que podem ser utilizadas para esta finalidade são: capim elefante (Pennisetum spp.), cana-de-açúcar (Saccharam oficinarum), grevilea (Grevilea robusta), eucalipto (Eucaliptus spp.), leucena (Leucaena leucocephala), bananeira (Musa spp.) e capim-guandú (Cajanus cajan).

Propagação

Propagação do porta-enxerto

    Independentemente do método de propagação a ser utilizado, para obtenção de material propagativo de boa qualidade, as plantas fornecedoras de estacas ou garfos devem ser mantidas em áreas conduzidas especificamente para este fim, denominadas matrizeiros ou campo de matrizes.
    A obtenção dos porta-enxertos pode ser feita de diversas formas, porém, devido à praticidade e ao baixo custo de produção, a maioria dos porta-enxertos são propagados utilizando-se a estaquia lenhosa. Para preparo das estacas, os ramos devem ser coletados durante a fase de repouso da planta ou, no caso daqueles porta-enxertos que não perdem as folhas, quando os ramos encontrarem-se maduros, ou seja, com a coloração marrom característica e com diâmetro de 6 mm a 10 mm. As estacas devem ser preparadas com 3 a 5 gemas, o que corresponde a cerca de 40 cm de comprimento, cortando-se logo abaixo do nó inferior e na região do entrenó, em bisel, na parte superior.
    Para uniformizar a formação de raízes e melhorar o índice de enraizamento, pode-se fazer o tratamento das estacas com ácido indolbutírico (AIB). O tratamento pode ser feito de diversas formas, conforme a preferência do viveirista ou do viticultor, mas, de modo geral, o tratamento pela imersão da base das estacas em uma solução com 10ppm de AIB, por 12 horas, tem fornecido bons resultados.
    Após o preparo, pode-se colocar as estacas imediatamente nas embalagens (saquinhos pretos perfurados, balainhos de bambu, etc.) com o substrato para enraizamento (Fig. 1), ou deixá-las na sombra com a base, cerca de 1/3 do comprimento, submersa em areia, devendo-se irrigar uma ou duas vezes por dia para manter a umidade da areia, ou ainda armazená-las em câmaras frias. Quando o armazenamento for feito em areia, assim que iniciar o processo de formação de calo, as estacas deverão ser transplantadas para as embalagens.
    Se for necessário transportar as estacas a longas distâncias, recomenda-se embalar os feixes somente com material plástico (sacos, lonas, etc.), resistente e com boa vedação. Não se deve utilizar jornais, serragem ou outro material umedecido, o que pode favorecer o ataque de fungos. Antes de colocá-las nas embalagens para o enraizamento, deve-se fazer uma hidratação das mesmas, que consiste na imersão da parte basal ou de toda a estaca em água durante cerca de 12 horas.
    Durante a colocação das estacas nas embalagens, deve-se tomar o cuidado para que a base fique enterrada a uma profundidade máxima de 2/3 da altura da embalagem e nunca encostada no fundo, uma vez que nessa região existe acúmulo de umidade, o que prejudica a formação das raízes. Para manter o grau de umidade adequado para a formação de raízes, é necessário fazer irrigações diárias, de preferência uma pela manhã e outra no final da tarde. Além da irrigação, durante a fase de desenvolvimento dos porta-enxertos no viveiro, às vezes é necessário o controle fitossanitário, principalmente de antracnose, já que a maioria dos porta-enxertos é sensível a essa doença.

Plantio do porta-enxerto no campo

    Após 2 a 3 meses da colocação das estacas para o enraizamento, os porta-enxertos estarão prontos para serem levados para o campo. Caso a área destinada à implantação da parreira tenha o sistema de irrigação instalado, pode-se levar os porta-enxertos em qualquer época do ano, desde que estejam bem enraizados, o que pode ser notado pela presença de raízes na parte externa dos saquinhos ou pelo tempo após a colocação das estacas nas embalagens, citado anteriormente. No caso de áreas sem irrigação, os porta-enxertos devem ser levados para o campo quando iniciar o período das chuvas, o que, na maioria das regiões tropicais e subtropicais produtoras de uvas de mesa, ocorre a partir de novembro.
    No momento do transplante, é importante realizar a poda das raízes que estão enoveladas, quebradas ou na parte externa da embalagem. Os porta-enxertos devem ser colocados a uma profundidade que permita a parte de cima do substrato ficar no nível do solo. A embalagem utilizada para o enraizamento deve ser totalmente eliminada durante o transplante para o campo.
    Após o transplante, recomenda-se fazer uma irrigação para melhorar o contato das raízes com o solo. Essa irrigação poderá ser dispensada se os porta-enxertos forem transplantados em dias chuvosos ou se o solo apresentar elevado teor de umidade.
    Durante o desenvolvimento dos porta-enxertos no campo, deve-se fazer um eficiente controle fitossanitário, principalmente de formigas cortadeiras que causam sérios danos, irrigações quando necessárias e controle das ervas daninhas. Em alguns casos, é feito o tutoramento das brotações dos porta-enxertos, o que facilita a formação de troncos retos e na posição vertical.
    Os porta-enxertos levados para o campo até o final do ano, normalmente, podem ser enxertados na metade do ano seguinte. Em alguns casos, principalmente quando se utiliza porta-enxertos pouco vigorosos, como o 'IAC 766' ou similares, deve-se realizar o transplante para o campo o mais cedo possível, de preferência antes do final do mês de novembro, caso contrário não se consegue o desenvolvimento satisfatório das brotações para a enxertia de maio a agosto do ano seguinte, principalmente no caso de ocorrerem deficiências nutricionais e/ou hídricas.

Enxertia

    A enxertia de uvas finas de mesa na região de Pirapora, normalmente, é feita diretamente no campo utilizando-se material lenhoso (enxertia lenhosa ou de inverno) ou material herbáceo (enxertia herbácea, verde ou de verão).

Enxertia madura ou lenhosa

    A enxertia lenhosa é realizada nos meses de maio a agosto, embora possa ser realizada em outras épocas, utilizando-se ramos maduros ou lignificados, tanto do porta-enxerto quanto da cultivar copa. A enxertia, no início do período da seca, favorece a formação da copa das plantas, devido à menor incidência de doenças.
    A enxertia é feita pelo método da garfagem em fenda cheia (Fig. 2), em ramos que apresentem cerca de 8 mm de diâmetro. Os sarmentos - ramos da cultivar copa dos quais são retiradas as gemas ou borbulhas - devem apresentar diâmetro e estágio de desenvolvimento semelhantes ao porta-enxerto, o que facilita a realização e o pegamento da enxertia.
    Logo depois de coletados, os ramos não devem ser expostos ao sol ou às altas temperaturas, para evitar a desidratação dos mesmos. Caso haja necessidade de transporte para locais distantes ou armazenamento por alguns dias, é recomendável que os ramos sejam envolvidos por um material plástico e colocados em geladeira ou câmara fria. Da mesma forma que, para as estacas do porta-enxerto, não se recomenda a colocação de papel, serragem ou outro material umedecido.
    A amarração pode ser feita com plástico ou outro material que permita a fixação das partes enxertadas e a proteção contra a perda de umidade.
    Para garantir o pegamento, podem ser feitas duas enxertias em cada porta-enxerto, deixando-se uma ou mais brotações como dreno para evitar que haja exudação de seiva na região enxertada. As brotações deixadas como drenos devem ser eliminadas 2 ou 3 semanas após a realização da enxertia, ou quando iniciar a brotação dos enxertos.

Enxertia verde ou herbácea

    A enxertia herbácea ou enxertia verde é uma prática relativamente recente que tem sido bem aceita pelos viticultores, principalmente devido à facilidade de execução, elevados índices de pegamento e à rapidez com que a nova planta é formada. Em parreiras onde é feita a substituição da cultivar copa, a rapidez na formação da planta é ainda mais pronunciada, visto que o porta-enxerto apresenta o sistema radicular completamente desenvolvido. Nesse caso, é necessário que o porta-enxerto e a cultivar copa a ser substituída sejam livres de vírus e estejam com uma boa sanidade. Para a emissão das brotações do porta-enxerto, a copa da planta é eliminada logo depois da colheita dos frutos, abaixo do ponto da enxertia anterior (ao redor de 20 cm a 30 cm acima do nível do solo). Cerca de 45 dias após, é possível a realização da enxertia verde nas brotações e a obtenção de uma planta formada já para a próxima poda de produção, a ser realizada a partir de março do ano seguinte.
    A enxertia verde também pode ser usada para implantação de novas áreas, porém é necessário que o porta-enxerto tenha um bom desenvolvimento para emissão de brotações vigorosas e para a formação da cultivar copa enxertada.
    Com relação à execução da enxertia, o processo é semelhante ao da enxertia de inverno, sendo normalmente utilizado o método de garfagem em fenda cheia (Fig. 3), lembrando que as brotações do porta-enxerto e o garfo devem apresentar diâmetro e estágio de desenvolvimento correspondentes.
    Para amarração do enxerto, a utilização de filme de PVC transparente, usado para embalar alimentos, tem proporcionado excelentes resultados. Além disso, por ser auto-aderente, não é necessário dar nós para arrematar as extremidades. Esse tipo de material também pode ser utilizado para amarrar enxertos maduros com excelentes resultados.
    Como o filme de PVC é comercializado em bobinas de 28 cm, para facilitar o manuseio durante a amarração, é necessário cortá-los em rolos com 2,0 cm a 2,5 cm de largura, conforme a preferência do enxertador. Durante a amarração, deve-se tomar o cuidado de passar duas ou três vezes o plástico na parte superior do garfo, uma vez que o material não é lignificado e desidrata com facilidade. Durante a amarração, somente a gema enxertada deve ficar descoberta pelo filme de PVC. Na enxertia verde, também devem ser realizados dois enxertos em cada porta-enxerto e deixadas uma ou duas brotações como dreno.
    Cerca de 10 dias após a enxertia, inicia a brotação do enxerto, permitindo observar se houve ou não o seu pegamento. A enxertia verde pode ser realizada praticamente em qualquer época do ano, porém as épocas em que ocorrem temperaturas elevadas e ausência de chuvas intensas são as mais adequadas para o desenvolvimento das brotações e para a formação da nova planta.

Sistemas de Condução

    A produção de uvas finas de mesa na região de Pirapora é feita exclusivamente no sistema de condução de latada (Fig. 4), em função de possibilitar maiores produtividades, proteção dos cachos à incidência da luz solar, facilidade de aplicação de produtos fitossanitários, etc.

    A construção de uma parreira na forma de latada pode variar em função de vários fatores, como preferência do viticultor, custos, declividade do terreno, porta-enxertos e cultivar-copa utilizados, materiais disponíveis na região, entre outros. De modo geral, a seguir, são apresentadas algumas especificações dos materiais utilizados e a forma de construção de uma latada, lembrando que essa estrutura deve estar pronta antes da época da enxertia, para evitar danos aos enxertos durante a sua construção.
    Quanto aos materiais utilizados para sustentação da estrutura (postes, cantoneiras e os arames), deve-se utilizar materiais duráveis e que apresentem o menor custo na região. Na região de Pirapora, os postes e cantoneiras normalmente são utilizados de eucalipto tratado, de itaúba e, em menor escala, de concreto. Já os arames devem ser específicos para a construção de parreiras, em função de utilizarem uma galvanização de melhor qualidade, o que é menos atacada pela ação dos produtos fitossanitários, conferindo maior durabilidade à parreira.
    Os principais passos para construção de uma latada são apresentados a seguir:

  • Demarcar os quatro cantos do parreiral.
  • Fincar os cantoneiros (palanques) no solo a 1,5 m de profundidade.
  • Colocar os três rabichos de quatro fiadas com arames n° 6 em cada cantoneiro a 1,5 m de profundidade, sendo os dois laterais posicionados na projeção do alinhamento das duas respectivas laterais e o terceiro no meio.
  • Esticar o fio de contorno, cordoalha de 7 fios, através de uma talha na altura preconizada e prendê-lo pelas presilhas.
  • Fincar os postes laterais a 0,70 m de profundidade, com as bases alinhadas no perímetro do parreiral, com seus respectivos rabichos de duas fiadas feitos com arames nº 8, posicionados nas projeções perpendiculares das respectivas laterais. Outra opção é usar chapas âncoras, tirantes, cordoalhas e alças pré-formadas com galvanização pesada e alta resistência mecânica . Se for usar a tela para cobrir o parreiral, os postes externos devem ser de 2,5 m e 3,0 m de comprimento, dispostos de forma alternada no contorno da latada. Neste caso, são necessários postes de 3 m para esticar os arames que sustentarão a tela.
  • A ordem de colocação dos arames é a seguinte: primeiro coloca-se arames n° 12, ou ovalado com bitola de 2,4 mm x 3,00 mm e galvanização pesada, no mesmo sentido da rua. Depois, os porta fios com arames n° 12 ou ovalado, com bitola de 2,4 mm x 3,00 mm e galvanização pesada, sobre os anteriores, no sentido perpendicular ao da rua, para sustentar os de n° 14 comum ou de 2,10 mm de bitola, no mesmo sentido da rua, os quais sustentarão as varas.
  • Independente do espaçamento entre plantas, os arames da malha simples sempre serão esticados na cordoalha externa, passando-os por cima de todos os arames que cruzam a latada no sentido perpendicular, deixando-se uma distância entre eles de 30 cm a 35 cm. Esta distância visa facilitar a grampeação dos ramos.
  • Amarrar os arames da malha fina nos pontos sobre os arames porta fios, através de arame n° 18, objetivando-se mantê-los eqüidistantes, para não haver aglomeração dos mesmos durante a retirada do material de poda. Em áreas onde há riscos de granizo, ataque de pássaros, é necessário a cobertura do parreiral com tela de polietileno especial, com aditivos anti-raios ultravioletas e 18% de sombreamento.
  • No caso de parreiras em que se deseje colocar tela de proteção, é necessário fixar os balancins de 1,5 m x 0,03 m x 0,04 m em todos os postes internos ou utilizar postes com cerca de 0,7 a 1,0m mais compridos, onde serão esticados e fixados em suas extremidades superiores os fios n° 14 ou com 2,10 mm de bitola, galvanização pesada, abaixo e acima da tela, nos dois sentidos, e amarrados na cabeça dos postes de três metros para a sustentação da mesma.

    Em Pirapora, o sistema de condução da planta em Y (Fig. 5) proporcionou bom resultados para as cultivares Thompson Seedless e Crimson Seedless, apesar de ser um sistema ainda pouco utilizado na região.

Espaçamentos

    Tendo-se em vista o crescimento vigoroso das cultivares principais cultivares e para o sistema de condução em latada, recomenda-se distâncias não inferiores a 2,5m entre as linhas e a 2,0 m entre as plantas. Espaçamentos maiores do que 4m x 4m (16m2.planta-1) também não são recomendados em virtude de exigir estruturas produtivas (braços) muito longas, além da perda de área produtiva em virtude de falhas, ocasionadas por ausência ou morte de plantas.

Formação da Planta

    As principais formas de formação das plantas são as que conduzem os braços no sentido da linha das plantas (Fig. 6) ou no sentido perpendicular à essa (Fig. 7). A condução dos braços no sentido da linha das plantas tem como vantagens principais a facilidade de realização de tratos culturais - podas, aplicação de produtos para quebra da dormência, desbrotas, desnetamentos, desbaste de cachos, despontas de cachos e de ramos e tratamentos dos cachos com reguladores vegetais - a possibilidade de fazer aplicações localizadas de produtos fitossanitários e facilidade para escalonamento das podas.
    Nesse sistema as plantas podem ser formadas com 1 ou 2 braços e com as varas (sarmentos) posicionadas no sentido da entre linha e distanciadas a 15cm entre si. No caso da formação da planta com 1 braço, este deve ser conduzido até a próxima planta, quando deverá ser despontado para facilitar o desenvolvimento dos sarmentos. Já quando forem utilizados 2 braços, estes devem ser conduzidos em sentidos opostos e despontados quando atingirem a metade da distância entre as plantas. O espaçamento entre ruas para este tipo de formação deve ser de 2,5 a 3,0m e de 2,5 a 4,0 entre plantas
    A formação da planta com braços dispostos no sentido perpendicular à linha tem sido adotada por alguns viticultores, embora apresente algumas desvantagens em relação à condução no sentido da linha. Nesse sistema as plantas devem ser formadas com 2 braços, sendo estes conduzidos até a metade da distância entre as filas, onde devem ser despontados. Nesse tipo de condução da planta são necessários espaçamentos maiores entre filas, de 4 a 5 m, e espaçamentos menores entre plantas, 2,0 m por exemplo. O espaçamento de 5,0 x 2,0m é adequado para que não haja perda de área produtiva.
    No sistema de condução em latada, seja qual for o sistema de formação das plantas adotado, há necessidade de regular o número brotos (futuras varas de produção) no ciclo de formação.
    A disposição dos arames da malha fina (arames nº14), que sustentaram as varas, será sempre no sentido paralelo ao dos braços. Portanto, quando o viticultor for construir a parreira já deverá saber qual sistema de formação das plantas a ser adotado, para que as brotações com os cachos fiquem apoiadas sobre os mesmos.
    A decisão do tipo de formação das plantas deve ser tomada antes do plantio dos porta-enxertos para que possam ser utilizados espaçamentos adequados.

Figura 1. Estacas do porta-enxerto IAC 572 colocadas para enraizamento em saquinhos perfurados.
Foto: Jair Costa Nachtigal

Figura 2. Enxertia lenhosa em videira pelo método de garfagem em fenda cheia.
Foto: Jair Costa Nachtigal

Figura 3. Enxertia verde utilizando-se o método de fenda cheia.
Foto: João Dimas Garcia Maia

Figura 4. Sistema de condução em latada.
Foto: Jair Costa Nachtigal

Figura 5. Sistema de condução em Y.
Foto: Jair Costa Nachtigal

Figura 6. Sistema de formação das plantas com condução dos braços no sentido da linha das plantas.
Foto: Jair Costa Nachtigal

Figura 7. Sistema de formação das plantas com condução dos braços no sentido da entre-linha das plantas.
Foto: Jair Costa Nachtigal

Topo
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610