Embrapa Embrapa Uva e Vinho
Sistema de Produção, 5
ISSN 1678-8761 Versão Eletrônica
Nov./2003
Cultivo da Videira Niágara Rosada em Regiões Tropicais do Brasil

George Wellington Melo

Início

O Clima em Regiões Tropicais do Brasil
Implantação do Vinhedo
Poda e Quebra de Dormência
Adubação da Videira Niágara Rosada
Manejo de Plantas Daninhas
Doenças e seu Controle
Insetos Pragas e seu Controle
Normas Gerais sobre o Uso de Agrotóxicos
Irrigação em Regiões Tropicais
Colheita, Embalagens e Classificação da Uva
Produção e Mercado
Custos e Rentabilidade
Referências

Expediente
Autores
Adubação da Videira Niágara Rosada

Adubações
Calagem
Adubação de correção
Adubação de formação das plantas
Adubação de Manutenção

Adubações

    Sugere-se dois tipos principais de adubação: a de correção, efetuada antes do plantio, e a de manutenção, realizada durante a vida produtiva da planta. A primeira é feita para corrigir a fertilidade do solo para padrões preestabelecidos, e a segunda é realizada para repor os elementos absorvidos pela planta durante o ano.

Calagem

    Tem como finalidade eliminar prováveis efeitos tóxicos dos elementos que podem ser prejudiciais às plantas, tais como alumínio e manganês, e corrigir os teores de cálcio e magnésio do solo. Para a videira, o pH do solo deve estar próximo de 6,0. Na maioria dos estados brasileiros onde a cv. "Niágara Rosada" é plantada, utiliza-se a saturação de bases (T) como o índice indicador da necessidade de calagem. Recomenda-se usar a saturação de bases de 80 % para corrigir o solo. Deve-se dar preferência ao calcário dolomítico (com magnésio), sendo que o mesmo deve ser aplicado em toda a área, pelo menos, 3 meses antes do plantio.

Adubação de correção

    Como o nome já diz, é feita para corrigir possíveis carências nutricionais. Nela procura-se corrigir principalmente os teores do fósforo e do potássio.
    Os indicadores da disponibilidade de K e P para a maioria dos solos do Brasil é o Mehlich 1, sendo também utilizado resina aniônica e catiônica (Estado de São Paulo). A quantidade de nutriente a ser aplicada baseia-se em análise de solo e segue-se a Tabela 1. Os fertilizantes devem ser aplicados 10 dias antes do plantio e distribuídos em toda área.
    As fontes utilizadas para fósforo são os superfosfatos, enquanto que para o potássio recomenda-se o uso do cloreto de potássio ou sulfato de potássio.


Tabela 1.
Adubação de correção.

P Resina (mg dm-3) K trocável (mmol dm-3)
< 12 12 a 30 > 30 < 0,15 0,15 a 0,21 > 0,21
----- P2O5 (kg ha-1) ------- --------- K2O (kg ha-1) --------
200 100 0 90 60 0

    A adubação com micronutrientes se faz necessária apenas com o boro (B), pois os outros micronutrientes são fornecidos via fungicidas. O boro é um micronutriente extremamente importante para a videira, especialmente para a cv. Niágara Rosada, em que sua deficiência causa má fecundação, condicionando a formação de cachos ralos e mal formados. Normalmente os teores de B (extraído com água quente) do solo estão abaixo de 0,6 mg kg-1. Nesta situação, recomenda-se aplicar 10 kg ha-1 de B. Os fertilizantes mais utilizados na correção de B e suas respectivas dosagens estão na Tabela 2.


Tabela 2.
Fertilizantes boratados utilizados para correção da deficiência de boro.

Material

Fórmula química

Teor Aproximado

Quantidade a aplicar

Época de Aplicação

Modo de Aplicação

g kg-1

Kg ha-1

Ácido Bórico H3BO3 175 57 Preparo do solo Toda área
Bórax Na2B4O7.10H2O 115 87 Preparo do solo Toda área
Colemanita Ca2B6O11.5H2O 150 67 Preparo do solo Toda área
Ulexita NaCaB5O9.8H2O 100 100 Preparo do solo Toda área
Boro Solúvel Na2B8O13. 4H2O 205 49 Preparo do solo Toda área

    A aplicação de boro, em formulações com adubos fosfatados e/ou potássicos, facilita a aplicação e melhora sua distribuição no solo.
    Quando por algum motivo o produtor não fez a correção do solo com boro, recomenda-se duas aplicações via foliar, sendo a primeira antes do florescimento e a segunda quando as bagas apresentem tamanho de chumbinho, utilizando-se solução 0,05 % de boro. As fontes de B mais recomendadas são ácido bórico, bórax e boro solúvel.

Adubação de formação das plantas

    Esta adubação tem a finalidade de fornecer nutrientes às plantas no período que vai do plantio até o início da produção. Utiliza-se fertilizantes químicos à base de adubos orgânicos e nitrogênio.
    Em solos com menos de 25 g kg-1 (2,5%) de matéria orgânica recomenda-se a aplicação de esterco de bovinos, na dose 80 t ha-1, que deve ser colocado no fundo das covas das plantas e bem misturado com o solo.
    Após a enxertia, durante a formação da planta, faz-se a adubação nitrogenada, sendo que a quantidade de nitrogênio anual a ser aplicada está relacionada com o teor de matéria orgânica do solo, seguindo-se a Tabela 3. Esta adubação deve ser parcelada em até cinco vezes.


Tabela 3. Adubação nitrogenada de formação da planta.

Matéria Orgânica Dose de Nitrogênio
(g kg-1) (kg ha-1)
< 25 100
25 - 30 70
> 50 0


Adubação de Manutenção

    Tem a finalidade de repor os nutrientes que são exportados na forma de frutos. A recomendação é feita na expectativa da produtividade de 30 t ha-1. As doses e épocas de aplicações estão na tabela 4. Complementando a adubação de manutenção, deve-se aplicar, 10 dias antes da poda, 30 t ha-1 de esterco bovino.


Tabela 4.
Doses de fertilizantes recomendadas para a videira "Niágara" para atingir produtividade de 30 t ha-1.

Poda de Formação
Época Nitrogênio Fósforo (P2O5) Potássio (K2O) Esterco Bovino
  --------------- kg ha-1 ----------------
--- t ha-1 ----
10 dias antes da poda
-
72
-
30
10 dias após a poda
72
-
-
-
30 dias após a poda
48
72
-
-
45 dias após a poda
36
-
72
-
Total
156
144
72
30

Poda de Produção 
Época Nitrogênio Fósforo (P2O5) Potássio (K2O) Esterco Bovino
  --------------- kg ha-1 --------------- --- t ha-1 ----
10 dias antes da poda
-
96
-
30
10 dias após a poda
72
-
-
-
30 dias após a poda
36
96
-
-
45 dias após a poda
12
-
48
-
60 dias após a poda
-
-
48
-
80 dias após a poda
-
-
60
-
Total
120
192
156
30

Topo

Copyright © 2003, Embrapa