Embrapa Hortaliças
Sistemas de Produção, 6
ISSN 1678-880X Versão Eletrônica
Jun./2008
Batata-doce (Ipomoea batatas)
Autores

Sumário

Apresentação
Introdução
Origem
Material de propagação
Clima e solo
Nutricao e adubacao
Cultivares
Plantio
Tratos culturais
Irrigação
Colheita
Lavagem
Classificação
Controle de soqueira
Rotacao de cultura
Disturbios
Doenças
Desordens não infecciosas
Pragas
Manejo integrado de pragas
Consórcio
Composição e uso
Referências

Expediente


Tratos Culturais

Os principais tratos culturais são as capinas e a amontoa. A capina é geralmente realizada manualmente, uma vez que não existem herbicidas registrados para essa cultura. Em condições de alta infestação por gramíneas, alguns produtores utilizam graminicidas de uso geral, como Fluazifop-b-butil (Fusilade ou similar). Adota-se também a aplicação de Paraquat (Gramoxone ou similar) que é um herbicida dessecante, e portanto utilizado em pós-emergência das plantas daninhas. É aplicado quando as plantas daninhas estão com 10 a 15cm de altura, utilizando-se um funil invertido, denominado de chapéu, para proteger a planta cultivada, proporcionando bom controle das invasoras nas entrelinhas, sem afetar a cultura (MIRANDA et al., 1987).

Em locais com alta infestação de plantas daninhas pode-se reduzir o número de sementes de plantas indesejáveis realizando o preparo do solo duas ou três semanas antes do plantio. Nesse intervalo, havendo umidade no solo, ocorre a emergência das plantas que são eliminadas com herbicidas não residuais de ação de contato ou sistêmico, que deve ser aplicado na véspera do plantio.

O período crítico de competição de plantas invasoras se dá até aproximadamente 45 dias após o plantio, dependendo do clima e do ciclo da cultivar. Em condições de clima frio, as plantas têm crescimento mais lento e demoram mais a cobrir o solo. Em clima quente, principalmente quando se fazem adubação e irrigação, as plantas têm crescimento acelerado e cobrem mais rapidamente o solo. Como referência, deve-se acompanhar o crescimento das plantas e realizar a última capina quando a extremidade das ramas mais longas estiverem alcançando a base da planta da leira vizinha. Durante a capina o operário deve preservar as leiras. Para isso, após o corte da planta invasora, o operário deve separar o mato da terra e, realizando movimentos laterais com a enxada, retornar a terra para as laterais das leiras.

A amontoa consiste em reformar as leiras. Esta operação tem a finalidade de escarificar o solo, tornando-o mais frouxo e portanto com menor resistência ao crescimento lateral das raízes de reserva, o que favorece a formação de raízes menos tortuosas. Outra função da amontoa é vedar as rachaduras do solo formadas pelo crescimento das raízes. Por meio dessas rachaduras, alguns insetos-praga fazem a postura diretamente nas raízes, favorecendo a sua danificação.

A amontoa é geralmente realizada uma única vez, alguns dias após a última capina. Deve ser uma operação exclusiva, pois nesse caso o operário trabalha caminhando lateralmente, utilizando uma enxada para retirar terra da entrelinha para reformar a leira. O tempo dado após a capina é necessário para que ocorra a desidratação e morte das plantas cortadas durante a capina.

A operação de amontoa pode ser realizada mecanicamente utilizando-se um sulcador. Neste caso, a operação deve ser feita antes do entrelaçamento das ramas minimizando os danos às mesmas.

Em plantios conduzidos sem irrigação, é comum ser necessário a operação de replantio, que é recomendada quando mais de 10% das ramas não vingarem.

 

Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610.