Embrapa


Embrapa Uva e Vinho
Sistema de Produção, 1
ISSN 1678-8761 Versão Eletrônica
Jan/2003

Produção Integrada de Maçãs no Brasil

César Girardi
Renar João Bender

Início

Capacitação
Organização de produtores e assistência técnica
Recursos naturais
Solos e nutrição
Plantio
Polinização
Tratos Culturais
Poda
Controle da produção da fruta
Quebra de dormência
Manejo da cobertura vegetal
Manejo integrado de pragas e doenças
Colheita e pós-colheita
Mercado e Comercialização
Referências
Glossário


Expediente
Autores
Colheita e pós-colheita

Colheita e conservação da fruta

Colheita: As frutas devem ser colhidas no momento adequado, segundo a espécie, variedade e a utilização prevista, ou seja, armazenamento a curto, médio ou longo prazo, ou mesmo a comercialização imediata (mercado interno ou exportação). Para isso, deve-se assegurar que os índices mínimos de maturação estabelecidos pela pesquisa sejam respeitados no início da colheita e no posterior armazenamento e/ou comercialização, permitindo com isto, uma máxima eficiência na conservação e manutenção da qualidade interna e externa da fruta. Deve-se sempre utilizar embalagens (colheita, transporte, armazenamento, comercialização) limpas e de material não abrasivo para não contaminar e machucar as frutas. Recomenda-se, quando adequado, utilizar materiais plásticos, em perfeito estado de conservação e higienização, em vez de madeira. É sempre importante realizar uma pré-seleção da fruta no campo, evitando misturar frutas sãs com as caídas no chão, granizadas, com danos por insetos, podridões, machucadas, etc. Não se deve deixar as frutas colhidas expostas ao sol, transportando imediatamente para a empacotadora ou "packing house" no mesmo dia, evitando-se golpes e danos durante o transporte. As frutas de produção integrada que são transportadas conjuntamente com outros sistemas de produção, deverão estar devidamente identificadas e separadas no veículo de transporte. Isso é importante para não haver confusão na recepção da empacotadora, onde deverá ser tomada uma amostra da carga para as devidas anotações no caderno de pós-colheita.
     Os bins deverão ser devidamente identificados no momento da colheita, utilizando etiquetas de cor específicas contendo no mínimo as seguintes informações:

  • Caracterizar que pertence ao Sistema de Produção Integrada de Maçã - PIM, de modo que se diferencie dos outros sistemas de produção;
  • Nome do produtor/empresa;
  • Localização do pomar (bloco, setor, talhão);
  • Cultivar;
  • Data da colheita;
  • Nome do responsável pela colheita

     Recomenda-se a utilização de etiquetas com código de barra para facilitar a manutenção da rastreabilidade, permitindo identificar problemas futuros em algum determinado lote, após a fruta ter sido colhida.


Tabela 1.
Indicadores da maturação de maçãs.

Cultivar Firmeza polpa (lbs) Amido
(1-5)
SST
(brix)
ATT
(cmol/L)
Cor
Gala 17 a 19 2,0 a 3,0 > 11 5,2 a 6,0 Verde-clara
Fuji 16 a 18 2,5 a 3,5 > 12 3,7 a 5,2 Verde-clara
Golden delicious 15 a 17 2,5 a 3,0 > 12 6,7 a 8,2 Verde-clara

 

Recepção da fruta na empacotadora (packing house): A fruta de cada caminhão que chegar na empacotadora deverá ser devidamente identificada, anotando-se o peso da carga e a numeração dos bins. Também deverá ser retirada uma amostra aleatória de frutas para realizar testes de maturação e qualidade.
     Essas informações deverão ser anotadas no caderno de pós-colheita, identificando o destino dado ao lote de frutas.


Armazenamento: O armazenamento deve manter a qualidade interna e externa da fruta, devendo-se assegurar o funcionamento regular das câmaras de conservação, por meio da observação periódica dos equipamentos de refrigeração e controle de gases (atmosfera controlada). Para tanto, deve-se realizar controles periódicos mensais da qualidade, através de análises laboratoriais de amostras de 20 a 50 frutas. Essas análises permitem prognosticar o potencial e a duração do período de conservação, avaliar a evolução de problemas de qualidade observados no início do armazenamento, observar a reação das frutas às condições de armazenamento, verificar o comportamento das diferentes cultivares ou lotes em relação às características externas de maturação (murchamento, podridões, distúrbios fisiológicos) e determinar a qualidade interna e externa das frutas através de análises laboratoriais (sólidos solúveis totais, firmeza de polpa, acidez). Também é importante realizar análises de minerais em amostras de frutas antes do início da colheita, para avaliar a possibilidade de incidência de distúrbios fisiológicos, permitindo tomar decisões de qual destino será dado à fruta, ou seja, armazenamento a curto, médio, longo prazo, ou mesmo a comercialização imediata. Todos esses dados devem ser devidamente registrados e devem estar disponíveis no caso de necessidade de inspeção. Por isso, é importante que a fruta que recebeu o selo de conformidade da produção integrada, seja representativa de cada cultivar, talhão e câmara fria de armazenamento. Não é recomendável existir o armazenamento da PIM junto com as da produção convencional. Porém, quando for inevitável, os bins deverão estar devidamente identificados e separados no interior da câmara fria. As condições recomendadas para o armazenamento de maçãs estão representadas nas tabelas abaixo.


Tabela 2.
  Condições para o armazenamento refrigerado de maçãs.

Cultivares Temperatura
(°C)
Umidade Relativa
(%)
Período de armazenamento
Gala e mutações 0 94-96 4-5 meses
Fuji -1 a 0 92-96 6-7 meses
Golden Delicious 0 94-96 5-6 meses
Belgolden 0 94-96 5-6 meses
Braeburn 0 92-96 6-7 meses


Tabela 3.
  Condições para armazenamento em atmosfera controlada de maçãs.

Cultivar Temperatura (°C) O2
kPa
CO2
kPa
Umidade Período de armazenamento
Fuji - 0,5 1,5 < 0,5 92% 8 a 9 meses
1 1 2-3
0,5 1,5 < 0,5
Gala e mutantes 0,5 1 3 92 a 95% 6 a 9 meses
1 1 2-3
0 1 2
Golden Delicious 0,5 0,75-1,0 3 > 92% 8 a 10 meses
0,5 1 4
1 1,5 4


Classificação: É exigido o cumprimento estabelecido pelo regulamento técnico específico para a cultura da maçã, atendendo o estabelecido na lei de classificação n° 9.972. Portanto, cada empacotadora que trabalhar com frutas da PIM, deverá obrigatoriamente ter um profissional treinado de acordo com o estabelecido na lei. Deve-se manter a identificação do lote durante a classificação, registrando no caderno de pós-colheita as respectivas categorias obtidas nessa operação, sendo que essas informações deverão ser colocadas nas etiquetas dos bins pré-classificados que retornarem ao armazenamento.
      Para evitar batidas e ferimentos nas frutas durante a classificação, a máquina classificadora deverá ser ajustada pelo menos uma vez ao ano, sendo que a água deverá ser constantemente renovada, permitindo-se apenas o uso de produtos desinfestantes para diminuir a carga de inóculo de fungos e bactérias.


Empacotamento: Os paletes formados deverão conter caixas de maçãs provenientes de um mesmo pomar da PIM, devendo o mesmo estar devidamente identificado com uma etiqueta na qual conste todas as informações pertinentes a procedência da fruta embalada, de modo a manter a rastreabilidade das informações. Quando um palete for formado por frutas provenientes de diferentes pomares da PIM, é obrigatório que haja etiquetas de identificação de cada pomar, lembrado que é proibido colocar frutas provenientes de diferentes sistemas de produção.

seta    

Copyright © 2003, Embrapa