Embrapa Embrapa Uva e Vinho
Sistema de Produção, 5
ISSN 1678-8761 Versão Eletrônica
Nov./2003
Cultivo da Videira Niágara Rosada em Regiões Tropicais do Brasil

João Dimas Garcia Maia

Início

O Clima em Regiões Tropicais do Brasil
Implantação do Vinhedo
Poda e Quebra de Dormência
Adubação da Videira Niágara Rosada
Manejo de Plantas Daninhas
Doenças e seu Controle
Insetos Pragas e seu Controle
Normas Gerais sobre o Uso de Agrotóxicos
Irrigação em Regiões Tropicais
Colheita, Embalagens e Classificação da Uva
Produção e Mercado
Custos e Rentabilidade
Referências

Expediente
Autores
Manejo de Plantas Daninhas

Introdução

    As plantas daninhas não são, em sua totalidade, prejudiciais a videira. Há espécies menos competitivas que podem ser admitidas nas áreas, podendo ajudar na reciclagem de nutrientes, promovendo a cobertura do solo, diminuindo a erosão, além de servir como abrigo de inimigos naturais. Algumas espécies são extremamente competitivas e disseminam muito rápido como é o caso da grama seda (Cynodon dactylon L.) Pers., tiririca (Cyperus rotundus L.), capim colonião (Panicum maximum Jacq.), braquiarias (Braquiaria spp.), corda de viola (Ipomoeia sp), as quais necessitam ser erradicadas da área. Outras espécies menos competitivas podem até conviver com a cultura nas entrelinhas, no período chuvoso, porém necessitam ser roçadas a cada 20 a 30 dias. O controle de plantas daninhas é realizado objetivando-se diminuir a competição com a videira por água, luz, e nutrientes ou visando a eliminação das espécies mais competitivas.

Controle cultural
Controle físico
Controle quimico
Herbicidas não registrados para a videira

Controle cultural

    Consiste em evitar a introdução de espécies competitivas na área do vinhedo. Essa introdução pode ocorrer via plantio de mudas infestadas; estercos com sementes, estolhos ou tubérculos; ou através de implementos usados em áreas infestadas. Neste último caso o implemento deve ser lavado antes de iniciar o trabalho na nova área. A eliminação de plantas daninhas nas margens de carreadores e em áreas ociosas adjacentes ajudam a diminuir as fontes de infestação.

Controle físico

    Usar cobertura morta, como restos de palhas secas de cana ou de napier, casquinha de algodão, bagaço de cana, e palhas de braquiária. Estes materiais, além de diminuir a incidência de plantas daninhas, proporcionam aumento no teor de matéria orgânica no solo, aumentam a conservação da umidade no solo, e diminui os riscos de erosão. Outra possibilidade para a cobertura do solo é o plantio de leguminosas nas entrelinhas, fazendo a cobertura verde. Neste caso a leguminosa deve ser roçada antes que suas sementes estejam maduras fisiologicamente. A espécie para este fim deve ter hábito de crescimento determinado, e ter ciclo anual. A mucuna anã pode ser usada para este fim. Esta espécie chega a incorporar cerca de 50 kg/ha/ano de nitrogênio, 4 a 5 t/ha de matéria seca, além de ter efeitos alelopáticos contra nematóide e tiririca.

Controle quimico

    O uso de herbicidas deve ser feito preferencialmente no final do ciclo. Deve-se evitar o uso de herbicidas durante os dois primeiros anos de cultivo, porque os riscos de fitotoxidez são maiores. O controle químico pode ser feito com produtos registrados para a cultura listados na Tabela 1, sendo os mais utilizados glifosato e paraquat.
Glifosato - É um herbicida pós-emergente, sistêmico que controla folhas largas e estreitas. A dosagem recomendada é em função das espécies mais tolerantes presentes na área, podendo variar de 0,48 a 2,88 kg de i.a /ha-1. A aplicação nas linhas requer a retirada antecipada dos brotos ladrões no tronco cerca de 5 dias antes da aplicação, para evitar fitotoxidez.

Paraquat - É um herbicida pós-emergente, não seletivo que controla a maioria das plantas daninhas anuais, principalmente com altura entre 15 cm a 20 cm, na dosagem de 2,0 kg de i.a./ha-1. Este produto requer cuidado especial quanto a deriva, para tanto deve ser aplicado nas horas sem vento.

Herbicidas não registrados para a videira

    A aplicação de produtos não registrados para a videira pode causar sérios danos à planta como a base de halosulfuron (Figura 2), e de 2,4, D (Figura 3). Os herbicidas registrados para a cultura da videira estão apresentados na Tabela 1.

Figura 1
Fig. 1. Sintomas de fitotoxidez causado por halosulfuron.
(Foto: J. Dimas G.M.)

Figura 2
Fig. 2. Sintomas de fitotoxidez causada por 2,4-D. (Foto: J. Dimas G. M.)

    Em termos gerais, o controle, e, ou, manejo de plantas daninhas no vinhedo pode ser feito de várias maneiras:

  • Uso de herbicidas nas linhas de plantio, e de roçadeiras nas entrelinhas (Figura 39);

  • Capinas manuais nas linhas e roçadeiras nas entrelinhas (Figura 40);

  • Capina manuais nas linhas e cobertura morta nas entrelinhas ;

  • Área totalmente limpa (em solos de textura arenosa, bastante sujeitos a erosão, não deve ser adotado).

Figura 3
Fig. 3. Herbicida nas linhas e roçadeira nas entrelinhas.
(Foto: J. Dimas G.M.)

Figura 4
Fig. 4. Capinas nas linhas e roçadeiras nas entrelinhas.
(Foto: J. Dimas G. M.)

Tabela 1. Herbicidas registrados para a cultura da videira (2003).

Nome Comercial Ingrediente Ativo Classe Toxicológica Class. Amb Registrante
Agrisato 480 CS Glifosato IV II Alkagro do Brasil Ltda
Cention SC Diurom II * Bayer CropScience Ltda.
Direct Glifosato IV III Monsanto do Brasil Ltda.
Diurex Agricur 500SC Diurom II * Agricur Defensivos Agrícolas Ltda.
Diuromex Diurom III * Sipcam Agro S.A.
Diuron Nortox Diurom III II Nortox S.A.
Finale Glufosinato-sal de amônio III III Bayer CropScience Ltda.
Glifosato Nortox Glifosato IV III Nortox S.A.
Glifosato 480 Agripec Glifosato IV III Agripec Química e Farmacêutica S.A.
Gliz Br Glifosato IV III Dow AgroSciences Industrial Ltda.
Gliz 480 CS Glifosato IV III Dow AgroSciences Industrial Ltda.
Gramocil Diurin + dicloreto de paraquate II II Syngenta proteção de Cultivos Ltda.
Gramoxone 200 Dicloreto de paraquate II II Syngenta proteção de Cultivos Ltda.
Herbazin 500 BR Simazina III * Milenia Agro Ciências S.A.
Herbipak 500 BR Ametrina III * Milenia Agro Ciências S.A.
Herburon Diurom II * Milenia Agro Ciências S.A
Polaris Glifosato IV III Du Pont do Brasil S.A.
Radar Glifosato IV III Monsanto do Brasil Ltda.
Roundup Original Glifosato IV III Monsanto do Brasil Ltda.
Roundup WG Glifosato IV III Monsanto do Brasil Ltda.
Rustler Glifosato IV III Monsanto do Brasil Ltda.
Stinger Glifosato IV III Monsanto do Brasil Ltda.
Surflan 750 BR Orizalina II * Dow AgroSciences Industrial Ltda.
Touchdown Sulfosato IV III Syngenta Proteção de Cultivos Ltda.

Topo

Copyright © 2003, Embrapa